Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Craque

Nacional divulga nota e contrato assinado com o técnico da equipe na Copa São Paulo

Diretoria do Nacional assinou contrato com Darlan Barroso em setembro e, que todas as despesas com viagem e possível lucro na vende de atletas seria do técnico



1.jpg
Nota ofical do Nacional Futebol Clube
18/01/2013 às 18:12

O presidente do Nacional Futebol Clube, Mário Cortêz, disse que em setembro o clube assinou um contrato com o treinador Darlan Barroso, para a disputa da Copa São Paulo de Futebol Junior e, que todas as despesas seriam por conta do treinador. Segundo ele, o contrato – que deve ser divulgado em nota no site oficial do clube nesta sexta-feira – consta que todas as despesas e possíveis lucros seriam por conta do treinador.

“O Nacional não ia jogar a competição porque sequer participou do último campeonato da categoria. O Darlan, com esse mesmo time jogou o Amazonense com a camisa do Tarumã. Em setembro foi assinado um contrato e, se ele conseguisse vender algum jogador ficaria com o lucro, mas isso não aconteceu”, disse Mário Cortêz.

Confira a nota na íntegra

A presidência do Nacional Futebol Clube, agremiação amazonense centenária, quarenta e uma vezes campeã amazonense de futebol profissional, resolve por meio desta, informar de maneira oficial a real situação ocorrida ao longo da última semana quando cerca de nove atletas da categoria Junior (popularmente conhecida como sub-20), ficaram retidos em São Paulo por não terem como custear as passagens de volta para Manaus após terem disputado a 44ª Copa São Paulo de Futebol Junior — a copinha — representando este.

Dos fatos:

O Nacional Futebol Clube foi procurado pelo senhor Darlan Barroso NOME COMPLETO, que, tendo em vista o direito do clube de representar o estado na competição paulista, propôs a terceirização da categoria para o mesmo, sendo firmado um contrato entre as partes, conforme o anexo.

Com o pedido acatado, a categoria teve o direito de usar todas as instalações profissionais do clube durante o período de preparação, o que deixa claro que em nenhum momento faltou apoio ou incentivo para os garotos.

Tendo ciência dos fatos apenas quando a notícia foi dada pela imprensa local e nacional, o clube prontamente marcou uma reunião em caráter emergencial com o referido senhor que era o único responsável por bancar todas as despesas da categoria para tomar conhecimento de maneira oficial dos reais fatos que se passavam em São Paulo.

Tendo o mesmo informado que ainda se encontrava pendente quatro passagens, imediatamente o presidente desta associação providenciou a emissão das passagens faltantes, a fim de solucionar toda a situação criada.

Sendo assim, diante de todos os fatos, a presidência do clube da o caso como encerrado.

Manaus, 18 de janeiro de 2013

Mário Cortez

Presidente      

O Nacional disputou a Copa São Paulo e ficou no Grupo W com sede em Osasco, município vizinho a São Paulo, mas teve duas derrotas e uma vitória. O presidente do Nacional disse que tomou conhecimento do problema na terça-feira pela manhã e pediu urgência em falar com Darlan, o que aconteceu no período da tarde, quando o Nacional comprou as passagens restantes.

“O Nacional não tem porque passar por um vexame como esse porque ele não tem culpa. Nós jogamos essa competição há anos e nunca teve um problema, mas desta vez foi terceirizado e, consequentemente essa terceirização não foi divulgada, e não é o técnico que fica com a culpa, e sim, a instituição chamada Nacional.

Segundo o presidente, o Nacional está formando um time com a intenção de chegara à Serie C do Brasileiro e conseguir chegar à 3ª fase da Copa do Brasil e isso mancha a imagem do clube.

“Quem está vindo para jogar no Nacional vai ler noticias negativas do clubes e pensar que o clube é caloteiro. Vamos encerrar o contrato com o Darlan e, se for necessário vamos divulgar uma nota no Site do Clube para dirimir todas as dúvidas”, afirmou o presidente do Nacional.

Darlan Barroso culpo o antigo vice-presidente do clube, Gilson Motta pela não disponibilização das passagens para a delegação viajar até São Paulo. Segundo Darlan, Gilson se reuniu com os jogadores e a comissão técnica em novembro e prometeu que arrumaria as passagens, o que acabou não acontecendo.

Os problemas com a viagem a São Paulo começaram dias antes da estréia do Nacional na competição. O clube só viajou um dia antes da estréia contra o grêmio Osasco e teve um grupo de jogadores que chegou no dia do jogo, depois de uma viagem com escala em Brasília (DF)

                             


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.