Sábado, 20 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Craque

‘Não foi a minha garrafa’, defende-se Nando após confusão com torcedor do Nacional

Atacante do Princesa do Solimões confirmou ao CRAQUE que atirou o objeto, mas que tem certeza que não atingiu torcedor nacionalino. Jogador deixou a delegacia às 2h desta segunda-feira (13) depois de assinar um TCO


13/04/2015 às 11:39

CONFIRA SEQUÊNCIA EM IMAGENS

A confusão envolvendo o jogador Nando, do Princesa do Solimões, e parte da torcida do Nacional foi parar no 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP). O atacante da equipe de Manacapuru (distante 68 quilômetros da capital) deixou a delegacia por volta das 2h da madrugada desta segunda-feira (13) alegando inocência na acusação de agressão contra um torcedor do time do Nacional.

“Sim, eu joguei (a garrafa de água). Mas, não foi a minha garrafa que acertou o torcedor. Tenho certeza. A garrafa de água que eu joguei passou foi longe de atingir alguém”, disse Nando à reportagem do CRAQUE. O camisa 23 do Princesa foi levado para prestar depoimento logo depois do término da partida em que o Naça bateu o Tubarão por 1 a 0, com gol de Kelvin cobrando falta. Na delegacia, o torcedor de nome Delcio Pacheco, conhecido como “Japiim”, com o olho direito roxo acusou o jogador pela agressão.

De acordo com o jogador, a confusão toda se estabeleceu quando ele se dirigia para o vestiário após término do jogo. “Estava descer pro vestiário quando recebi vários copos de cerveja na cabeça. Fedia muito, parecia até urina, sei lá. Jogaram também sandálias e cuspiram em mim e nos outros jogadores. Foi quando eu perdi a cabeça e atirei a garrafa. Não tinha intenção de ferir ninguém, quanto mais um senhor de idade”, relatou Nando.


Na companhia do presidente do clube, Holofernes Leite, e também do diretor de futebol do Princesa, Raphael Maddy, Nando confrontou sua versão com a de Japiim no DIP. No entanto, só deixou a delegacia depois de assinar um Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO). O jogador confirmou que os dirigentes do clube darão total apoio jurídico ao atacante, e que deve comparecer à delegacia novamente para prestar novos esclarecimentos.

Nando ainda disse que em momento algum do jogo foi desleal com algum jogador do Nacional durante a partida e que não merecia a expulsão. “Fui expulso do jogo por causa de um empurrão com o jogador deles (Nacional). Coisa boba. Mas em momento algum eu merecia ser xingado e agredido como fui pela torcida do Nacional. Estou sendo perseguido”, explicou o jogador.

Segundo o atacante do Princesa, a Polícia Militar (PM) não fez nada em relação a confusão e caso seja punido pela agressão, - que diz não ter cometido - vai arcar com as consequências. “A PM viu tudo. Tava ali do lado e deixou acontecer. Ficou lá só olhando. Estou ciente de que não cometi nenhuma agressão. Mas se for punido por alguma coisa, vou ter de pagar. Fazer o quê?”, finalizou o Nando.   


publicidade
publicidade
Educador indígena da rede estadual lança livro sobre a vida Munduruku
Curiosidade: nos primeiros anos, jornal A Crítica foi ‘onzeorino’
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.