Publicidade
Esportes
Craque

‘Não gosto de ser favorito’, diz Fabrício Werdum

Peso-pesado, faixa preta de jiu-jitsu fala sobre a sua tão sonhada revanche contra Minotauro 01/06/2013 às 21:53
Show 1
Gaúcho afirma que está pronto para lutar em pé ou no chão
Paulo Ricardo Oliveira ---

O gaúcho Fabrício Werdum, 35, pode dar um grande passo rumo à disputa do cinturão peso-pesado do UFC caso vença o baiano Rodrigo Minotauro Nogueira, um ano mais velho, no próximo sábado, na Arena Paulo Sarasati, em Fortaleza (CE). Ambos protagonizam a luta principal da segunda edição do The Ultimate Fighter Brasil (TUF), reality show produzido pelo UFC para popularizar o evento no País que confina equipes rivais sob responsabilidade técnica de dois trenadores. Werdum foi o técnico da equipe amarela e Minotauro treinou o time verde, numa ciranda de enfrentamentos no octógono e brincadeiras de mau gosto fora dele por parte dos rivais.

 O confronto entre o gaúcho e o baiano configura uma revanche que muitos queriam assistir. Minotauro já venceu Werdum no extinto Pride, no dia 1º de julho de 2006, quando fizeram uma das melhores lutas daquele ano. Foi um jogo de gato e rato numa trocação intensa que tirou o fôlego dos milhares de expectadores que pagaram o ingresso no Saitama Super Arena, Japão. Werdum prevê uma luta tão intensa diante de Minota quanto a que aconteceu seis anos atrás. “Tanto ele (Minotauro) quanto eu queremos dar uma belo espetéculo para os fãs e mostrar que estamos bem na categoria. Minha estratégia é fazer uma luta inteligente. Sem essa de ir para tudo ou nada. Minha equipe montou uma estratégia tanto para a luta em pé quanto para a luta no chão”, assegura o faixa-preta de jiu-jitsu que tem o apelido de Vai Cavalo, expressão gaúcha dos tempos de bola na infância.

Para Werdum, o terceiro do ranking dos pesados, derrotar Minotauro (8º) significa dar um grande passo para frente na categoria. “Creio que uma vitória sobre o Minotauro me coloque mais próximo da disputa do cinturão, que é o meu grande sonho. Se vencer, o UFC deve me dar mais uma luta e aí a chance da disputa pelo título. Mas não posso subestimar jamais o Minotauro, que é um cara que sempre surpreende o tempo inteiro”, revelou Werdum, que falou com exclusividade ao CRAQUE, na última quarta-feira, por telefone do luxuoso Renaissance  Hotel São Paulo, no bairro Jardim Paulista. “Tenho boas recordações de Manaus quando participei de duas edições do Jungle Fight e ganhei as duas. Manaus é terra de gente boa, alegre, que gosta de luta. Espero um dia poder voltar à cidade”.

Werdum afirma não ser favorito ao combate, embora muitos o considerem em melhor momento que Minotauro. “Eu não gosto de ser favorito. É muita pressão sobre as costas”.

 

Três perguntas

Fabrício Werdum, Lutador de MMA

Qual o caminho para vencer esta luta contra o Minotauro e ficar próximo da disputa pelo cinturão?

O caminho é estar sempre bem treinado. É claro que eu quero acabar a luta o quanto antes, mas estou preparado para uma guerra de cinco rounds. Farei uma luta inteligente. Vou agir na hora certa. Não vai ter essa de ir para o tudo ou nada. Nossa estratégia está traçada tanto para a luta em pé quanto no chão. Não posso subestimar o Minotauro, que surpreende o tempo inteiro.

Fale um pouco sobre sua experiência no TUF Brasil 2?

Foi uma experiência muito válida para mim. Aprendi muito com os outros lutadores e pude dividir com a minha equipe um pouco que sei desse universo das lutas. Foi bom também pela popularidade, pois eu era conhecido mais fora do Brasil que aqui. Depois do TUF a cada dez metros andando tem sempre uma legião de fãs pedindo autógrafos ou posando para fotos comigo. Isso é muito legal.

O que você tem a dizer sobre o Rodrigo Minotauro?

Uma lenda viva do MMA. O cara é fora de série, gente boa como pessoa, um excelente profissional. O Minotauro é um cara que ajuda as pessoas, tem projetos sociais. Quem não gostar de um cara como o Minotauro você pode desconfiar. Tenho uma relação muito boa com ele. Faremos essa luta na parte profissional, ele dando o melhor dele e eu meu. Somos lutadores profissionais e não inimigos. Eu o admiro.

Publicidade
Publicidade