Sexta-feira, 19 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Craque

‘Não levaram a sério’, diz técnico Aderbal Lana sobre a derrota do Brasil na Copa do Mundo de 2014

O ex-técnico do Fast Clube, treinador mais vitorioso do Amazonas, disse que a Seleção Brasileira sobrevive da individualidade e por isso foi goleada


09/07/2014 às 10:56

A humilhante goleada imposta ao Brasil pela seleção da Alemanha por 7 a 1, no estádio do Mineirão, que deixou atônitos mais de 200 milhões de brasileiros, repercutiu entre treinadores, dirigentes e jogadores amazonenses. O ex-técnico do Fast Clube, Aderbal Lana, criticou a desorganização do futebol brasileiro e a preparação da Seleção Brasileira que, na sua avaliação, não levou a sério a Copa do Mundo no Brasil.

“Eu não esperava uma goleada por 7 a 1. O Felipão tentou ser ofensivo jogando contra um time diferente, técnica e taticamente, e que verdadeiramente se preparou para jogar a Copa do Mundo no Brasil. A Alemanha foi fazer a sua preparação no calor de Salvador enquanto o Brasil foi para o frio de Teresopólis”, lamentou Lana.

Para o treinador mais vitorioso do futebol do Amazonas, com sete títulos estaduais e três Copas Norte, o Brasil começou a partida contra a Alemanha querendo liquidar a partida logo no início do primeiro tempo, deixando o time muito aberto e desguarnecido diante do rápido e envolvente ataque alemão.

“Entramos muito afoitos e tentando resolver logo a partida. O Brasil entrou na empolgação dos torcedores brasileiros e na pilha da imprensa. Deu no que deu. A Alemanha joga num esquema moderno e surpreendeu o Luiz Felipe Scolari que pensou num esquema de forma errada, que não deu certo. Vivíamos apenas da individualidade de alguns jogadores e esquecemos do conjunto”, disparou.

Mudanças na CBF

O técnico Aderbal Lana também criticou o longo tempo de dirigentes no comando da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e nas federações estaduais. Para Lana, nenhum presidente deveria passar muito tempo no comando.

“Não concordo que o presidente da CBF ou de qualquer federação fique mais de 30 anos no comando. A permanência de qualquer dirigente do futebol, no comando de entidades deveria ser de, no máximo dois anos. É preciso haver mudanças e renovação em todo o futebol brasileiro”, avaliou. Ele também criticou a falta de profissionalismo de alguns jogadores que, na sua avaliação, são protegidos pela imprensa e pelos cartolas, devido a interesses profissionais.

publicidade
publicidade
Brasil quer sediar Copa do Mundo de futebol feminino em 2023
Paratleta amazonense de halterofilismo conquista bronze na Copa do Mundo
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.