Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
Craque

‘Não vale mais a pena’. Jogadores do Operário não veem a hora do fim do Barezão

Atletas e até o presidente do clube do interior do Amazonas estão abatidos com campanha do time e com as constantes goleadas. Equipe já tomou 50 gols na competição e elenco não recebe há quase quatro meses



1.jpg Jovem equipe do Operário não recebe há quase quatro meses e está desmotivado para restante do Barezão.
07/05/2015 às 01:55

Meia centena de gols sofridos e nenhuma vitória em 14 jogos disputados. A derrota diante do Fast Clube na tarde desta quarta-feira (6), no Campo da Ulbra, na Zona Centro-Sul da capital, expôs bem mais que pífia campanha do time do Operário no campeonato, mas também a total falta de estímulo dos atletas em continuar atuando no Barezão.

Desde a vinda da equipe ao local do jogo, que chegou com 15 minutos de atraso por conta de uma pane no ônibus que transportava a equipe de Manacapuru (distante 68 quilômetros de Manaus), até o sétimo gol do adversário, o desânimo nos rosto dos jogadores do Operário era visível. Com quatro meses de salários atrasados e a falta de estrutura do clube, o elenco do Sapão da Terra Preta não vê a hora de chegar a 18ª rodada do Estadual.

Em tom de brincadeira (ou não), o presidente do Operário, Beto Ferreira, chegou a dizer que caso o árbitro da partida aplicasse o W.O por conta do atraso, não acharia de todo ruim. “Se ele (árbitro) der o W.O é até melhor...assim nós não tomamos gols”, disse o mandatário do clube do interior do Amazonas.

Depois da expulsão do técnico Neneca, por reclamação, o time do Sapão ficou sendo “comandado” pelos jogadores no banco de reservas. Em um certo momento do jogo, quando a goleada já estava consolidada, um dos atletas do banco – não identificado - gritou para os que estavam sendo massacrados pela equipe tricolor: “Tá bom, vamo logo embora. Não vale a pena mais não”.

Neneca quer identificar e punir

Ao saber do episódio o treinador do Operário ficou indignado e disse que vai perguntar ao elenco quem foi autor da frase de desencorajamento. “Quem quiser sair da equipe pode vir falar comigo que nós aceitamos prontamente. O que não quero é ver esse tipo de coisa no grupo. Amanhã (nesta quinta-feira) mesmo vou perguntar quem disse isso e vamos tomar uma providência”, esbravejou Neneca.

O treinador do Sapão retirou o peso de mais uma derrota das costas de seu elenco e acha que o grupo continua pecando na parte psicológica. “A gente não pode nem cobrar dos garotos. Sabemos do potencial do Fast e perdemos para uma equipe qualificada. Temos de ter dignidade com o clube e com o torcedor. Além de ter dignidade com essa garotada, que ainda tem de ser lapidada para brilhar mais pra frente”, explicou.  



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.