Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2022
Em São Paulo

Nas Paralimpíadas Escolares, AM quebra três recordes e tem atleta convocado para seletiva

Conquista inédita para um único paratleta amazonense, a estudante-paratleta Geovana Campos bateu recordes na prova dos 400 metros, e ainda é recordista dos 100 metros



Sem_titulo__9__1B415BB5-4081-4271-A699-6125AC882E23.jpg Foto: Jhonnys Lima
26/11/2021 às 17:33

Foi quebrando dois recordes e um convite para a seletiva da seleção brasileira que a equipe amazonense se despediu das Paralimpíadas Escolares deste ano, que terminou nesta sexta-feira, a cidade de  São Paulo. Durante três dias de competições, o Amazonas arrastou 22 medalhas. 

Conquista inédita para um único paratleta amazonense, a estudante-paratleta Geovana Campos bateu recordes na prova dos 400 metros e no lançamento do dardo, entrando para a história do paradesporto baré, com três marcas batida, pois ela ainda foi recordista nos 100 metros ainda no primeiro dia de competição.

Nesta sexta, mesmo ela tendo caído logo na largada, ela conseguiu ultrapassar a adversária do estado do Acre e passou na linha de chagada no tempo de 2:31.19, 24 segundos abaixo do recorde atual, e se consagrou a nova recordista.



Recuperada da prova dos 400m, a jovem indígena da etnia kokama disputou o lançamento de dardo, e novamente deixou sua marca registrada, lançando 6,36m, ultrapassando as adversárias do Acre e de Rio Grande do Sul, além de estabelecer um novo recorde, com mais de um metro de diferença do recorde atual.

“Eu não esperava essas conquistas, até porque eu estava distante de onde meu técnico me treinava, então, eu treinava como podia. Estou feliz por conquistar tudo isso, graças a Deus sou muito grata. Espero conquistar muito mais”, disse a jovem promessa do atletismo paralímpico, que tem paralisia cerebral.

Ela é a pupila do professor Joaquim Filho e  treina com ele há quatro anos, mas devido a pandemia da Covid-19, ela teve que se mudar com a família para vila de Novo Remando, no município de Itacoatiara. E é alterando entre o estudos da 2ª série do Ensino Médio e o treinos que a estudante de 16 anos concilia o tempo na zona rural. Mas o objetivo dela é intensificar os treinos na capital, para poder estar apta a disputar as competições nacionais.

Quem também fez bonito nas Paralimpíadas Escolares foi Anne Maryanne finalizou sua participação na competição com três medalhas de ouro. Duas delas conquistadas nesta sexta, nas provas dos lançamentos de disco e dardo.

“Eu posso dizer que não estava preparada, pois tive poucos treinos, mas tive foto e está aí o resultado”, disse  campeã  do 8º ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual Francelina Assis Dantas, ao relatar que teve apenas um mês para treinar. Agora era mira a competição do próximo ano, “Foco. Foco e bastante força”, completou Anne, que é cadeirante devido a uma má formação congênita.

‘Muito treino’

O jovem João Lucas se despede da edição deste ano das Paralimpiadas Escolares levando na mala  uma medalha de ouro e duas de pratas. Nesta sexta, ele ficou com a prata no arremedo de disco. Apesar da dificuldade nos treinos, devido a falta de local, fechados por conta da pandemia, ele destaca que conseguiu bons resultados devido a muito foco e determinação.

“Consegui acertar dos os arremessos, sem queimar nenhum. Pretendo melhorar cada vez mais e ver quais foram minhas marcas para eu poder melhorar cada vez mais”, disse o jovem da 1ª série do Ensino Médio, que tem paralisia cerebral e estuda na Escola Estadual Pedro Câmara (CMPM VIII).

Dedicação e sacrifício

O professor Joaquim Filho é especialista em revelar talentos no paradesporto do Amazonas, mas toda essa “garimpagem”,     requer tempo e dedicação. E visando novas conquistas e  descobertas de mais estudantes-paratletas, ele deseja se dedicar mais ainda à procura desses talentos que estão nas unidades de ensino, só aguardando uma oportunidade para mostrar o potencial.

“Eu dou aula em dois horários e quase não sobra tempo para eu treinar esses alunos. Tenho vontade de sair da sala de aula e ficar única e exclusivamente para trabalhar somente com deficientes. Se eu ficar à disposição, com certeza teremos um trabalho melhor no atletismo, natação, tênis de mesa e bocha, no ano que vem com certeza o Amazonas entraria para a história das Paralimpíadas Escolares”, confessou.

Neste ano, a delegação amazonense teve algumas baixas por conta da pandemia e para preservar a saúde de alguns paratletas, foi necessário usar o bom senso e deixá-los em Manaus. “Mas o grupo que está conosco é forte e realmente entendeu. As medalhas vieram na hora certa e podemos dizer que o Amazonas é vencedor”, finalizou Joaquim.

Convocação

O jovem paratleta de Parintins, Kael Modesto não só ficou com a medalha de bronze no tênis de mesa em dupla, como também rendeu uma convocação para uma seletiva nacional. 

Ele ficou entre o dez melhores no tênis de mesa e acabou selecionado para participar, no mês de janeiro, de uma seletiva no CT Paralimpico, para disputar três vagas da seletiva. As passagens aéreas, hospedagem e alimentação será toda por conta do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), que organiza as Paralimpíadas Escolares.

Kael fez sua última participação no evento, pois completa a idade máxima, que é 17 anos, com saldo de seis medalhas conquistadas. “É muito importante e gratificante pra mim. É muito treino para estar aqui. Agradeço a Deus porque ano que vem tenho uma oportunidade, vou trabalhar bastante”, explicou o parintinense de 17 anos e aluno da EETI Gláucio Gonçalves.

Delegação do Amazonas – resultado geral
Quadro atualizado de medalhas

Geovana Campos – ouro no 100m (recorde); ouro no 400m (recorde); ouro no lançamento de dardo (recorde)

Anne Maryanne – ouro no arremesso do peso; ouro no lançamento de disco e ouro no lançamento de dardo

Samuel Miranda – ouro no lançamento do dardo; ouro no arremesso de peso; ouro no lançamento de disco

João Lucas – ouro no arremesso de peso;  prata no lançamento de dardo; prata no lançamento de disco

Pablo Kauan – ouro no arremesso de disco; prata no lançamento de dardo; prata no arremesso de peso

Adriano Moura - prata no salto em distância; bronze nos 250m 

Richard Hyller -  bronze na prova dos 100m; broze na prova dos 400m

Wesley Emerson – ouro na prova de 1000m

Kael Modesto – bronze no tênis de mesa, individual e bronze no tênis de mesa por equipe

Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.