Publicidade
Esportes
Dois Irmãos

Nascidos em Manacapuru, Irmãos Costa brilham no futebol europeu

Numa temporada perfeita, os Irmãos Costa fazem história nos gramados do Velho Mundo; Marcelinho é hexacampeão na Bulgária e Gustavo ergue primeira taça em Portugal 04/06/2017 às 05:00
Show as
De férias em Manacapuru, os campeões recarregam as baterias antes de retornar para seus clubes em busca de novas conquistas (Foto: Acervo Pessoal/Marcelo Costa)
Denir Simplício Manaus (AM)

O CRAQUE conta hoje a história de “Dois Irmãos”, nada a ver com o romance do amazonense Milton Hatoum, que relata a conturbada relação entre os irmãos Yaqub e Omar, que viviam brigando entre si.

Nessa outra história, a dos “Irmãos Costa”, a única luta é por vitórias e conquistas e eles conseguiram.

Dois Campeões

Nascidos e criados no bairro da Terra Preta, em Manacapuru, os Irmãos Costa ganharam o mundo. O mais velho, Marcelinho, 32, é mais conhecido do torcedor amazonense. Se tornou ídolo na Bulgária, onde no mês passado se sagrou hexacampeão búlgaro, além de levantar a taça da Copa da Bulgária no último dia 24 de maio, alcançando sua nona conquista pelo Ludogorets Razgrad, seu clube.

Ao lado da esposa, cunhada e filhos, Marcelinho exibe mais uma taça (Foto: Acervo Pessoal)

Meia-atacante habilidoso, Marcelinho se naturalizou búlgaro e já até defendeu a seleção da Bulgária nas Eliminatórias para a Copa da Rússia 2018.

O mais novo, Gustavo, 22, brilha no futebol de Portugal, onde no último dia 21 de maio ajudou o Portimorense a conquistar a LigaPro, a Segunda Divisão portuguesa e, consequentemente, o acesso à Primeira Liga, a divisão de elite do futebol português.

“Sensação maravilhosa poder conquistar meu primeiro título pelo Portimonense. Me sinto realizado e orgulhoso por tudo que Deus vem fazendo na minha vida. Chegar no clube e poder subir o time à Primeira Liga e ainda ser campeão, não tem preço, estou muito feliz. Só agradecer a Deus por me proporcionar tudo isso. E o Sonho continua!”, festejou o meia, que assim como o irmão mais velho, deu seus primeiros chutes na escolinha do Tubarão do Norte.

“Comecei em Manacapuru na escolinha do Princesa do Solimões. Daí meu treinador, João Luiz, me levou para o Crixás-GO disputar um campeonato Sub-18, eu tinha 14 anos. Meu irmão estava no Mogi Mirim e me levou pra lá. Assinei meu primeiro contrato no Mogi e fui emprestado pro Santos por três anos, acabei ficando dois anos lá. Voltei pro Mogi já pro profissional pra disputar o Campeonato Brasileiro da Série C, e hoje estou aqui no Portimonense de Portugal”, relata Gustavo.

Gustavo festeja primeira taça no futebol europeu (Foto: Acervo Pessoal)

Canhoto, o mais novo dos irmãos Costa tem como ídolos no futebol feras como Messi, Ozil e James Rodrigues, mas é no irmão que ele se espelha.

“Gosto muito do futebol dele, é craque!”, confessa Gustavo revelando a ótima relação próxima com Marcelinho. “A gente se fala muito, eu ligo pra saber como ele está. Quando ele faz gol dou parabéns! Vejo os jogos dele pela net, ele vê os meus. Ele me dá conselhos, a gente tem uma relação muito boa”, disse.

Orgulho do irmão

“Estou muito feliz com o sucesso dele. Primeiro ano na Europa e já um acesso, um título. A gente tenta aproveitar bastante as férias e falamos um pouco sobre o que vem na nova temporada. Temos que voltar focados e querendo muito para as coisas boas continuem acontecendo. A temporada foi de sucesso, mas não podemos parar”, parabenizou Marcelinho, que curte férias com Gustavo em Manacapuru, antes do retorno para mais uma temporada de glórias no futebol da Europa.

Os filhos de Agenor e Isabel

Se seu Agenor e dona Isabel, os pais da dupla, já curtiam assistir os jogos do Ludogorets com Marcelinho em campo, agora a alegria é dividida com audiência nas partidas do Portimorense, do caçula Gustavo.

Terceiro filho da família Costa, Gustavo lembra da alegria dos pais com o sucesso de mais um dos filhos no futebol.

“Eles ficaram bastante felizes e emocionados pelo título, ainda mais por ser meu primeiro ano no clube, por jogar na Europa, que é todo sonho de jogador”, disse o meia, que ainda tem o irmão Thiago, 24, como incentivador aqui no Amazonas.

Família Costa unida em festa pelos campeões (Foto: Acervo Pessoal)

“O Thiago jogava, mas não quis seguir esse caminho de jogador. Hoje, ele trabalha e faz faculdade em Manaus, mas sempre estamos nos falando. Ele me incentiva bastante, principalmente quando ligo depois dos jogos”, lembra o campeão português da LigaPro, divisão de acesso à elite do futebol de Portugal, e que no segundo semestre estará em campo para mais uma temporada de sucesso na Europa.

Publicidade
Publicidade