Publicidade
Esportes
Craque

Ney Júnior terá a missão de acabar com 43 anos de jejum do Fast Clube

Novo comandante sabe que a missão de tirar o Rolo Compressor da "fila" é difícil, mas não impossível 21/11/2014 às 08:12
Show 1
Rozenha anuncia Ney Júnior
Leanderson Lima Manaus (AM)

O Tricolor de Aço escolheu na tarde desta quinta-feira (20) o comandante da temporada 2015. E é do ex-zagueiro Ney Júnior a missão de quebrar um incômodo jejum de títulos do Campeonato Amazonense, que já duram longos 43 anos. 

Aos 38 anos, o ex-jogador, que também é formado em Educação Física terá a sua primeira experiência como técnico profissional. Em conversa com o CRAQUE, o presidente do Fast Clube, Ednailson Rozenha falou sobre a escolha do novo treinador e não descartou a possibilidade do retorno do atacante Carlinhos e do meia Rosembrick. 

“A gente já experimentou treinadores de vários perfis. Treinador de renome nacional, de renome regional, treinador bom de tática, de relacionamento... Precisamos de um técnico que conheça a cabeça do boleiro e por isso fechamos com convicção com o Ney Júnior. Ele é formado em Educação Física e sabe como funciona o futebol amazonense”, disse o presidente do Tricolor de Aço.

Rozenha revelou vai começar a discutir a formação do elenco com o novo técnico do clube imediatamente e que em no máximo 15 dias deve apresentar a nova equipe. O cartola não descartou o retorno de Carlinhos Bala e de Rosembrick, jogadores que foram destaque do clube no Campeonato Amazonense de 2014.“O Carlinhos Bala fez uma boa temporada com o Fast. Os problemas que aconteceram (o clube terminou o certame na terceira posição atrás de Nacional e Princesa do Solimões) não foram culpa do Carlinhos e do Rosembrick”, sentenciou.

Primeira experiência

Ney Júnior é um velho conhecido da torcida fastiana. Ele foi um dos jogadores de confiança do ex-técnico do clube, Aderbal Lana. No ano passado, o nome dele chegou a ser cogitado para o cargo, mas o Rolo Compressor acabou fechando com Lana.

Ney contou ao CRAQUE que está animado com a oportunidade. “Depois que encerrei a carreira me formei em Educação Física, me preparei para isso (trabalho como treinador) e o Fast Clube está abrindo as portas. Sabemos que não será fácil (acabar com o jejum do clube), mas temos totais possibilidades”, acredita o novo comandante.

Para Ney faltou sorte ao Rolo Compressor nos últimos anos. “O Fast vem montando grandes equipes, mas a falta de sorte vem atrapalhando. Mas é um novo momento... Tenho certeza que vou dar o meu melhor”, finalizou.

Como jogador, o ex-zagueiro atuou no Fast Clube, Nacional, São Raimundo, Rio Negro e Sul América. 





Publicidade
Publicidade