Publicidade
Esportes
Craque

No campo jurídico: Neymar depõe por mais de uma hora no Tribunal Superior da Espanha

Craque brasileiro foi ouvido pela Justiça espanhola sobre a polêmica transferência do Santos para o Barcelona, em 2013. O jogador deixou o local muito tranquilo, atendendo os fãs e dando autógrafos 02/02/2016 às 15:58
Show 1
Neymar e o pai chegaram juntos para depoimento à Justiça da Espanha.
ACRITICA.COM Manaus (AM)

Acostumado a brilhar nos gramados espanhóis, Neymar teve de adentrar em outro campo, o da Justiça. O craque prestou depoimento nesta terça-feira (2) na companhia do pai no Tribunal Superior da Espanha. O jogador foi convocado para falar sobre a transação envolvendo sua ida para o Barcelona. Após uma hora e dez minutos, o atacante deixou o local não antes de distribuir autógrafos aos fãs.

Neyma pai e Neymar Júnior entraram juntos no Tribunal, mas o filho saiu antes do pai, que permaneceu interrogado. Maior interessado no caso, o Santos foi representado pela advogada Fátima Bonassa. O time da Baixada Santista acusa o craque e o pai de terem ocultado o valor real do negócio milionário com o clube catalão.

O pedido de depoimento partiu do juiz José de la Mata, do Tribunal da Espanha, atendendo a uma solicitação da Fiscalía do país (Ministério Público espanhol). O magistrado quer a explicação sobre as acusações por supostos crimes de fraude e corrupção na contratação do brasileiro pelo Barcelona em 2013.


A DIS, empresa que possui partes dos direitos de Neymar, diz que foi lesada e reclama do valor oficial da transferência de Neymar para o Barcelona: 17,1 milhões de euros (R$ 75 milhões) - a empresa tinha direito a 40% deste valor. O grupo tenta reaver o percentual sobre o montante final do negócio, que chegou a 86,2 milhões (cerca de R$ 379 milhões).

No Brasil, Neymar e o pai são acusados de sonegação fiscal e falsidade ideológica. Os dois teriam criado três empresas de fachada para abater o valor dos impostos. Ambos respondem processo na Justiça brasileira e podem receber pena de até cinco anos de prisão.



Publicidade
Publicidade