Publicidade
Esportes
Barezão

Clássico 'Pai e Filho' neste sábado (22) marca 100º jogo de Dinamite com a camisa do Fast

Nacional venceu os três últimos jogos no Barezão 2019 e quer estragar festa do volante e capitão do Tricolor de Aço na Arena da Amazônia 23/02/2019 às 02:56 - Atualizado em 23/02/2019 às 09:16
Show zcr0323 101 p01  2  b49b2d1b d23f 4e16 a21a 7c2fb649e8cc
Foto: Arquivo AC
Gabriel Ferreira Manaus/AM

O  clássico “Pai-Filho” por si só já é um atrativo para os fãs do futebol Baré que comparecerem neste sábado (23), às 15h, na Arena da Amazônia. No entanto, o duelo entre Fast e Nacional, válido pela abertura da quinta rodada do Barezão, tem um sabor especial para um certo ídolo do esporte local: Roberto Dinamite.

O volante, responsável em levantar a taça do Estadual de 2016 - a da quebra do jejum de 45 anos -,  completa 100 jogos vestindo a camisa do Tricolorde Aço e não esconde a satisfação com o feito histórico.

“É um momento muito especial na minha carreira como atleta. É um grande prazer ter a honra e o privilégio de poder vestir a camisa do Fast Clube por 100 vezes. Estou feliz por hoje ser o capitão e o melhor de tudo: ter conquistado títulos com essa camisa. E saber que vou fazer 100 jogos com a camisa do Fast no clássico Pai-Filho é para agradecer muito a Deus”, disse. 

Em clima de comemoração, o volante  também disse que a vitória no clássico é muito importante para levar o Fast à liderança da competição, assim como será a “ cereja do bolo” da festa do centésimo jogo pelo Rolo Compressor.

“Sabemos da responsabilidade do jogo e sabemos que com a vitória podemos assumir a liderança do campeonato e se isso acontecer creio que vai ser a cereja do bolo dos meus 100 jogos usando a camisa do Fast”, explicou Dinamite.

Palavras de Lana

O Nacional vem de sequência de três vitórias nas últimas três partidas no Estadual e diante do  Fast busca continuar o embalo de bons resultados. O técnico do Naça afirmou que as campanhas diferentes das duas equipes neste início de campeonato não são parâmetro para uma projeção de resultado do jogo.

“A atual situação do Fast e do Nacional não tem nada a ver com o jogo, são duas equipes que se equivalem.  O Fast tem um bom plantel, nem sempre as coisas começam como a gente quer. O Nacional por exemplo era um time cotado a não ficar entre os cinco no início da temporada, e hoje está em segundo. Vai ser um jogo difícil a gente sabe, e a crescente do Nacional a gente tem que vê até quando ela vai”, explicou Aderbal Lana.

Publicidade
Publicidade