Terça-feira, 18 de Maio de 2021
FUTEBOL

No confronto do acesso, Fast encara Grêmio Novorizontino-SP

O Tigre do Vale venceu o Goiânia por 4 a 0 pelas oitavas de finais e agora enfrenta o Rolo Compresso por uma vaga na Série C de 2021



133723325_10224862768621033_46037519076527972_o__1__2A96C770-D156-4287-800C-F83B6A057F2D.jpg Foto: Phill Lima
27/12/2020 às 19:47

Após a vitória nos pênaltis contra o Globo-RN, na noite de sábado (26), se tornando o primeiro time classificado as quartas de finais da Série D 2020, o Fast Clube finalmente conheceu na tarde deste domingo (27), o adversário que irá enfrentar para o seu jogo mais importante do ano. Trata-se do Grêmio Novorizontino-SP, dono da segunda melhor campanha na classificação geral da competição nacional.

A primeira partida está prevista para o próximo dia três de janeiro, na Arena da Amazônia, e a segunda para o dia 10, no estádio Jorge Ismael de Biasi ‘Jorjão’, em Novo Horizonte, interior de São Paulo.



Com ambos os times participando pela terceira vez da Série D, esta é a primeira oportunidade em que Fast e Grêmio Novorizontino chegam nesta fase do certame. Quem esteve mais próximo de conseguir chegar as quartas de finais nas edições anteriores, foi o Tigre, que na temporada de 2018 – ano em que o Manaus bateu na trave -, acabou sendo eliminado nas oitavas de finais para o Linense-SP.

Para o Fast, tudo que vem acontecendo na Série D de 2020 é novidade, pois na atual temporada, foi a primeira vez que o clube conseguiu passar da fase de grupos, já que em 2017 ficou pelo caminho em uma chave com Baré-RR, Gurupi-TO e São Raimundo-PA e, em 2019, foi eliminado com ‘requintes de crueldade’, sendo um dos dois piores segundos colocados da competição.

Campanhas

Para chegar as quartas de finais, o Fast terminou na segunda posição do grupo A1 – atrás apenas do Bragantino-PA –, passando para a fase de 16 avos e encarando o Moto Club-MA. Mesmo com todo o histórico do futebol amazonense nunca ter conseguido eliminar um clube do Maranhão na Série D, o Tricolor do Boulervad conseguiu quebrar este tabu e passou nos pênaltis. Na fase de oitavas de finais, o Rolo Compressor precisou novamente dos pênaltis para confirmar sua classificação.

Já o Tigre do Vale, foi líder isolado do grupo A8, perdendo apenas uma partida e fazendo 31 pontos em 14 jogos. Na fase de 16 avos, o clube tomou um susto ao perder o jogo de ida para o Cascavel-PR, mas se recuperou ao aplicar 3 a 0, atuando em seus domínios. Pelas oitavas, o time de Novo Horizonte não teve dificuldades em eliminar o Goiânia, empatando o jogo de ida e goleando por 4 a 0 no jogo de volta (casa).

Fator casa é determinante

Com oito vitórias, sete empates e três derrotas – sétimo na classificação geral –, a arma do Fast vem sendo os jogos dentro de casa, aonde a equipe baré ainda não soube o que é perder, são cinco vitórias e quatro empates. Outro número que reforçar essa superioridade são os ‘clean sheet’ – jogos sem tomar gols –, das nove partidas na capital, o Rolo Compressor não levou gols em quatro: Globo-RN, Atlético-AC, Independente-PA e Rio Branco-AC.

Por outro lado, quando o Fast joga fora de casa, a matemática muda de panorama. A equipe do técnico Ricardo Lecheva leva o dobro de gols –foram 12 em nove partidas –, sendo que em apenas dois jogos a equipe amazonense não precisou buscar a bola no fundo das redes: Ji-Paraná-RO e Rio Branco-AC.

Para o Grêmio Novorizontino, a oportunidade de jogar em casa é quase sinônimo de vitória. Os números mostram que o Tigre do Vale quando joga em seus domínios acumula sete vitórias e dois empates, tendo 14 gols pró e apenas um gol tomado. A campanha fica equilibrada quando precisa atuar fora, são quatro vitórias, três empates e duas derrotas, com 11 gols pró e oito contra.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.