Publicidade
Esportes
MMA

Atleta baré leva a melhor no desafio Amazonas x Pará do 12° Rei da Selva

O baiano Matheus Raposinha finalizou Luan Fernandes; Maurício Almeida venceu Augusto César no GP dos pesos mosca e Dayane “Monster” “devolveu” o tapa à Larissa Raywry 02/09/2018 às 12:01 - Atualizado em 02/09/2018 às 12:29
Show portal 14 837a3a04 83e3 482b aa56 c607c1a9fc22
Foto: Winnetou Almeida
Camila Leonel Manaus (AM)

O amazonense Helithon Davila reinou absoluto no cage do 12° Rei da Selva que aconteceu na noite de sábado (1°) no Manaus Plaza Shopping, em Manaus. O lutador baré desafiou o paraense Antônio Escorpião Rei e nocauteou o adversário no segundo round, mostrando quem manda no cage do evento amazonense.

Não bastasse as dificuldades de enfrentar um adversário duro, Helithon Davila ainda tinha outro fato contra si. Como ele não bateu o peso, Escorpião aceitou lutar com a condição que o adversário entrasse com menos um ponto nos três rounds. Pilhado com a punição e determinado a vencer, o amazonense que tem 21 lutas, 16 vitórias e cinco derrotas, primeiro investiu nos chutes. Levou o adversário para o chão e golpeou bastante, mas Escorpião foi salvo pelo gongo que anunciou o fim do primeiro round.

No segundo, Helithon “Boquinha” veio mais intenso, levou o adversário para o chão e, desta vez, golpeou até o juiz declarar nocaute. Após tanto trabalho, o significado para o atleta é de recompensa. “Significa que esse mês todo eu trabalhei e trabalhei certo. Eu acho que eu não trabalhei em vão. Eu vim sabendo o que ia fazer aqui em cima”, disse.

No outro desafio interestadual, o visitante levou a melhor: o baiano Matheus Raposinha finalizou Luan Fernandes no último segundo do primeiro round. “Eu estava confiante. Ele tinha me batido o round todo e era minha estratégia deixar ele cansado para pegar ele no segundo ou no terceiro round, mas graças a Deus ele cansou antes e o jiu-jítsu salva. Eu vim da Bahia, dois dias sem dormir, tirando peso, mas graças a Deus deu certo”.

Reis e rainhas da selva


Foto: Winnetou Almeida

O cage também forjou novos reis e rainhas da selva. Um deles foi o vencedor do GP dos pesos mosca, Maurício Almeida, que fez o melhor embate da noite contra Augusto César. Os dois venceram as lutas preliminares, credenciando-se à final. Na decisão, o que se viu foi um embate duro que além de muita “trocação” também teve muito sangue, resultado da doação dos dois lutadores. No fim, Maurício ficou com o cinturão por decisão unânime dos juízes.

“A primeira luta que eu fiz não foi como eu esperava, mas consegui sair com a finalização no terceiro round, então sentei no canto ali atrás sabendo que ia ter uma final muito difícil com o Augusto e eu criei uma estratégia sozinho e foi do jeito que eu planejei do primeiro ao terceiro round. Muita determinação minha e do meu professor em dar a motivação que eu preciso, sempre com as palavras certas e hoje sou o novo dono da selva”, disse o atleta, que abriu o evento vencendo Otaniran Matos por finalização.

Na final do outro GP, Diego Passos até conseguiu encaixar um mata-leão em João Batista no segundo round, mesmo após ser derrubado pelo adversário, porém, João Batista enfiou o dedo no nariz e, posteriormente, nos olhos de Diego e acabou desclassificado.

“Eu vim preparado confiante na minha equipe, na minha mão e no meu jogo e na minha especialidade que é o jiu-jítsu. Tive uma boa vitória na primeira luta ainda no primeiro round e vim inteiro para a segunda luta e vim buscar a finalização e finalizei. Meu adversário entrou com um golpe ilegal, meteu o dedo no meu olho, mas de boa, ia finalizar do mesmo jeito. Vim para ser campeão e vou segurar esse cinturão comigo”, declarou Diego.

Tapinha não dói, mas soco, sim


Foto: Winnetou Almeida

Na luta feminina da noite, Dayane “Monster” Souza entrou ao som de um antigo funk que diz que “um tapinha não dói”. Segundo ela, a música foi uma homenagem à adversária, Larissa Raywry, que a tapeou durante a pesagem.  “Na pesagem minha adversária deu um tapa na minha cara e eu não reagi porque sabia que ia pegar ela aqui e eu fui lá, trabalhei bem e consegui a vitória. A música que entrei foi em homenagem a ela”.

O bom trabalho da lutadora, que segue invicta com três vitórias em três lutas, incluiu socos e joelhadas. O resultado disso foi o ombro deslocado de Larissa que impediu a luta de continuar e deu a vitória à “Monster”.

Transmissão ao vivo

Esta edição do Rei da Selva teve como novidade a transmissão ao vivo pelo Facebook, tornando o alcance do MMA do Amazonas ainda maior. “Para mim o Rei da Selva está sendo um sucesso. Aquilo que nos propusemos a realizar estamos conseguindo que é unir o esporte com o entretenimento. Um local confortável, praticamente lotado e com lutas de altíssimo nível, nível top nacional e espero muito mais. O Rei da Selva hoje é um marco, conseguimos fazer a transmissão ao vivo pelo Facebook e alcançamos 50 mil pessoas e é um sucesso que está repercutindo em várias partes do mundo. Então estou muito realizado e vamos fazer mais pelo MMA que é o número um no Amazonas", disse o presidente do evento, Diogo Dutra.

Durante o evento, o presidente falou que no fim do ano um novo mega evento de MMA deve colocar frente a frente os detentores dos cinturões do MR Cage e do Rei da Selva, mas antes, no dia 13 de outubro, acontece o MR Cage.

Main Event

Desafio Amazonas vs Pará: Helithon Davila (AM) venceu Antônio Escorpião Rei (PA) por nocaute técnico aos 4min16s do 2° round

Final do GP Categoria até 70.9kg: Diego Passos venceu João Batista após desclassificação por enfiar o dedo no olho do adversário aos 2min38s do 1° round

Final do GP categoria até 58kg: Maurício Almeida venceu Augusto César por decisão unânime dos juízes

Desafio Amazonas vs Bahia: Matheus Raposinha (BA) venceu Luan Fernandes (AM) por finalização aos 4min58s do 1° round

Categoria até 53kg: Dayane "Monster" Souza venceu Larissa Raywry por nocaute técnico aos 3min38s do 2° round

Card Preliminar

Categoria até 66.5kg Elves Brener finalizou Luan Anderson com um mata leão aos 1min35s do 2° round

Categoria até 84kg : Ramon Costa venceu Jorge Marreta por nocaute técnico aos aos 1min24 do 2° round

Categoria até 66.5kg: Allan Soares venceu Thiago Freitas por decisão unânime dos juízes

Categoria até 77.5kg: Jhonnys Nobre venceu Edvandro Rodrigues por nocaute técnico aos 51s do 1° round

GP Categoria Leve (70.9kg)

João Batista venceu Oberlan Silva por nocaute técnico aos 2min09s do 3° round

Diego Passos venceu Augusto César da Silva por finalização (mata-leão) aos 29s do 1° round

GP Categoria Mosca (até 58kg)

Augusto César venceu Gutt Gattiere por decisão unânime dos juízes

Maurício Almeida venceu Otaniran Matos por finalização (mata-leão) aos 1min56s do 1° round

Publicidade
Publicidade