Publicidade
Esportes
PARTO INUSITADO

No último dia, um novo espectador deu as caras nas Olimpíadas na Floresta

Na madrugada de domingo (12) nasceu Raimundo Willian à bordo do barco Comandante Willian, que servia de alojamento para a delegação vinda de Maraã 19/03/2017 às 13:00
Show zcr0219 05f  2
Raimundo Willian é o terceiro filho do casal Martinha e Lucas (Foto: Clóvis Miranda)
Camila Leonel Manaus (AM)

Não bastava toda a agitação por conta da concentração de pessoas nas Olimpíadas na Floresta, um novo espectador resolveu comparecer nos Jogos no último dia de competição. Trata-se de Raimundo Willian, que nasceu às 4h da manhã de domingo à bordo do barco Comandante Willian, que servia de alojamento para alguns atletas e para a Banda Municipal de Maraã. A mãe dele, Martinha Santos, começou a sentir as dores no sábado à noite e às 4h13 o menino nasceu. O nome é uma homenagem ao avô da criança (Raimundo) e ao barco (Willian) que serviu de maternidade.

Martinha, que foi para assistir os Jogos, conta que teve a ajuda do marido, Lucas Silva, para dar a luz ao terceiro filho do casal, duas meninas uma de oito e outra de um ano de idade. “Ele (Lucas) chamou a parteira, uma colega minha me ajudou a segurar o bebê e quando a parteira chegou, ele já tinha nascido. Ele tava previsto pra chegar dia quatro, mas como não nasceu, pensei que só vinha no final do mês”, contou.

A parteira chamada para ajudar foi dona Lucimar Pereira, que na hora do nascimento se aprontava para assumir os serviços na cozinha das Olimpíadas. “Eu tava me preparando, colocando a touca na cabeça pra ir pra cozinha e o meu filho me chamou que tinha uma mulher com muita dor no barco. Quando cheguei aqui (no barco) ela já tava com o bebê, aí só fiz cortar o cordão umbilical e limpei ela”, relembrou.

Dona Lucimar, 54, conta que desde os 12 anos ajudava a mãe a realizar partos nas comunidades do Amanã e com o passar do tempo, herdou a função.  Além de ajudar no parto, ela também providenciou roupinhas para o bebê, já que todo o enxoval de Raimundo ficou em Maraã. “Trouxe roupinhas da minha neta, que tem quatro meses e algumas já não serviam mais nela”. Mesmo com o ambiente atípico onde Raimundo Willian nasceu, a mãe garante que foi um parto tranquilo. “Ele tá bem, graças a Deus, não teve atrapalho nenhum e isso é bom demais. Fico muito feliz”, declarou a mãe.

Publicidade
Publicidade