Publicidade
Esportes
EMOCIONANTE

Nos pênaltis, Fast bate o Penarol fora de casa e conquista primeiro turno do Barezão

A cobrança derradeira foi de Kitó, que acertou a trave e acabou com a chance do Penarol garantir o título do primeiro turno diante de sua torcida. 28/02/2018 às 18:00 - Atualizado em 28/02/2018 às 18:33
Camila Leonel

O Fast conquistou o título do primeiro turno no Estádio Floro de Mendonça na tarde desta quarta (28). Após o empate em 0 a 0 o Tricolor de Aço venceu nos pênaltis por 5 a 4, jogando na casa do adversário, e de quebra garantiu calendário para o ano que vem.

A cobrança derradeira foi de Kitó, que acertou a trave e acabou com a chance do Penarol garantir o título do primeiro turno diante de sua torcida.

O jogo

O Penarol saiu com a bola rumo ao ataque, mas a jogada foi parada com falta no primeiro minuto de partida. Railson cobrou buscando a cabeça de Branco, mas a zaga afastou o perigo. O  ataque dos donos da casa não intimidou o visitante. Prova disso foi que, no minuto seguinte, Marajó recebeu na intermediária, girou e chutou forte e rasteiro, mas Rasci, atento, defendeu. Do outro lado, Branco também ameaçou Labilá, que precisou fazer duas defesas para evitar que o Leão da Velha Serpa abrisse o placar.

Mas os cinco primeiros minutos de superioridade do Penarol foram seguidos por jogadas de perigo do Fast, que investia na velocidade e chegava próximo à área. No chute de Willian Saroa, Rasci rebateu e a zaga penarolense afastou. Em seguida, Pimenta tentou de longe, mas o goleiro defendeu.

Conforme o tempo passava, os jogadores começaram a cansar devido ao calor e isso fez o jogo ficar mais morno. O Fast corria menos e passou a cruzar a bola na área. Em um desses lances, Marajó cabeceou para fora. Em outra bola pingada, o mesmo Marajó ajeitou e experimentou de longe, obrigando Rasci a fazer bela defesa.

No segundo tempo quem voltou melhor foi o Fast Clube, que conseguia articular melhor suas jogadas de ataque.  A melhor delas começou com Edicleber pelo lado esquerdo e rolou para Marajó. Ele se aproximou da linha de fundo e passou para Vitinho. O camisa 18 passou por dois marcadores, entrou na área e achou Edicleber livre, mas Rasci fez bela defesa, evitando o primeiro gol do Rolo Compressor. Rasci fez outra bela defesa quando Vitinho saiu em velocidade pela direita e, sozinho, chutou cruzado, mas o arqueiro mais uma vez garantiu que a bola não passasse.

No Penarol, após a saída de Branco, Railson buscava Charles, mas nem sempre tinha sucesso. Foi quando outra dupla entrou em ação: Leozinho e Marinelson. Os dois fizeram bela tabela e Leozinho entrou na área, mas a zaga afastou.

Uma das armas do Fast para a segunda etapa era Jhorman. Pelo lado do Penarol entrou Kitó, mas foi o camisa 15 do Fast que foi mais efetivo. Aos 40, ele saiu jogando na direita e entrou na área livre. Thiago Brandão se jogou na frente da bola para evitar a finalização. O dia nada inspirado dos ataques, somado à eficiência dos goleiros, fez a partida caminhar para o 0 a 0 e o título ser decidido nos pênaltis.

As cobranças

William Saroa, do Fast, abriu a cobrança e abriu também a contagem para o Tricolor de Aço. Railson cobrou no canto esquerdo, Labilá ainda tocou na bola, mas não impediu que ela entrasse. Jamesson bateu forte e fez 2 a 1 pro Fast. Thiago Brandão escolheu o canto direito e fez. Labilá converteu o terceiro do Fast. Gelvane, do Penarol, chutou para fora. Jhorman fez 4 a 2 para o Fast e, em seguida, Marinelson diminuiu para 4 a 3. Júnior Canhoto chutou no meio do gol, Rasci defendeu e a torcida explodiu. A esperança estava nos pés de Ivanzinho, que empatou e série em 4 a 4. Nas alternadas, Edicleber foi o primeiro e isolou. A chance ficou para Leozinho, mas ele também isolou, deixando o Fast vivo. Carlinhos Rocha cobrou à meia altura e colocou o Rolo à frente novamente. A série foi fechada com Kitó, que  cobrou no pé da trave, dando o título ao Fast.

Publicidade
Publicidade