Publicidade
Esportes
NA ABERTURA DO EVENTO

Avô recompensa neto com a honra de levantar a taça de campeão do Peladão

Após a frustração de ver o avô perder o título do Peladão Master em janeiro, Cleyan foi recompensado levantando a taça Paulo Gavião 15/09/2017 às 08:58 - Atualizado em 15/09/2017 às 14:15
Show zpel 10
(Foto: Antônio Lima)
Camila Leonel Manaus (AM)

No mês de janeiro, o Compensa Master disputou o título da categoria mais experiente do Peladão com o Central do Coroado, porém perdeu o título nas penalidades. Mas além da  tristeza por não ter conseguido o título, no caso do jogador Antônio Francisco a frustração por não conseguir levar a taça para a Compensa foi em dobro.

O motivo foi uma promessa que ele fez ao neto, Cleyan, de quatro anos. Avô e neto são inseparáveis principalmente nos jogos do avô. “No último Peladão, ele me acompanhou o campeonato todinho. Quando chegou na final, prometi que ele ia entrar em campo se a gente ganhasse, mas ele não pôde entrar e também não ganhamos e isso deixou ele muito triste”, relembrou.

Mas oito meses depois, na abertura do Peladão, o avô teria a chance de cumprir a promessa feita a Cleyan. Os dois times se reencontraram em um jogo amistoso vencido por 2 a 1 no último sábado no estádio Roberto Simonsen, na Zona leste de Manaus. No final do jogo além da festa pela vitória que estava engasgada e lavou a alma dos jogadores do Compensa Master, Cleyan teve a chance de realizar o sonho de todo capitão de uma equipe: levantar a taça de campeão.

“Nós viemos bastante determinados a ganhar esse jogo  porque esse time estava engasgado. Perdemos nos pênaltis naquela oportunidade e sair daqui com a vitória é muito gratificante. É como uma revanche. Além disso, eu prometi para que ele levantaria o troféu se nós ganhássemos, por isso que fiz questão de chamar para o campo e entregar o troféu para ele”, disse.

Cleyan além de levantar o troféu, aproveitou para brincar no gramado e sentir, assim como o restante do time do Compensa Master, o que é o Peladão. “É um amor que vai passando de geração em geração. Ele gosta de estar comigo e não para, é todo o tempo assim e a gente vai ensinando desde pequeno a gostar de futebol”, concluiu.
 

Publicidade
Publicidade