Publicidade
Esportes
Craque

O início do fim. A 15 jogos do adeus, Ceni se prepara para ‘pendurar as luvas’

Depois da eliminação nos pênaltis contra o Cruzeiro, ídolo sãopaulino deve encerrar a carreira ao final do contrato com o clube. Aos 42 anos, o goleiro ainda pode atuar em 15 jogos do Brasileirão antes do fim do vínculo com o Tricolor 14/05/2015 às 11:36
Show 1
Ceni confirmou que essa foi sua última Libertadores e pode ser o início do fim também na carreira.
ACRITICA.COM Manaus (AM)

Ao disparar a frase “Com certeza!” quando perguntado se aquela era sua última participação na Libertadores como goleiro do São Paulo, Rogério Ceni acenava também sua despedida dos gramados. Com vínculo com o Tricolor até o início de agosto, o ídolo do Morumbi tem apenas 15 partidas antes de encerrar a vitoriosa carreira no clube. Com a eliminação no torneio continental o arqueiro não deve estender contrato até dezembro.

A diretoria nem o jogador confirmam, mas a tendência é que Ceni use os 15 jogos que ainda restam antes do fim de seu contrato com o São Paulo como uma espécie de despedida. Após a vitória contra o Flamengo na abertura do Brasileirão, o goleiro ainda pode atuar na 15 rodadas que lhe restam. Destes, apenas sete partidas delas são como mandante. A diretoria do Tricolor paulista negocia a venda de mando de campo de alguns desses duelos.

Os jogos como mandante são contra Joinville, Santos, Grêmio, Avaí, Fluminense, Coritiba e Atlético-MG. Atuando como visitante as partidas serão contra Ponte Preta, Internacional, Chapecoense, Palmeiras, Atlético-PR, Vasco, Sport e, de novo, o Cruzeiro, agora pelo torneio nacional.


Ceni nunca escondeu que só decidiu atuar por mais um ano por que a equipe jogaria a Taça Libertadores. Com a eliminação na competição frente a Raposa, o camisa 1 do Morumbi não vê motivação para continuar nos gramados e deve pendurar as luvas no meio do ano.

Emocionado ao deixar o gramado do Mineirão, minutos depois de ter defendido, em vão, os pênaltis dos cruzeirenses Leandro Damião e Manoel -, Ceni preferiu falar pouco. "Agora, é difícil falar qualquer coisa. Parece até desculpa. Momentaneamente, tem que esperar baixar um pouco a poeira. Não tem o que falar", comentou.

Nesta quinta-feira (14), o goleiro retorna para São Paulo com a delegação. Nesta sexta-feira (15), o grupo são paulino volta aos trabalhos visando o duelo com a Ponte Preta, em Campinas.



Publicidade
Publicidade