Publicidade
Esportes
Craque

O Violino silenciou: morre Carlinhos, com passagens como jogador e técnico do Flamengo

O ex-atleta do Rubro-Negro faleceu aos 77 anos na manhã desta segunda-feira (22) após complicações cardíacas. Conhecido como Violino, por sua fala mansa e o estilo clássico de atuar, o ex-volante era ídolo dos flamenguistas 22/06/2015 às 11:27
Show 1
Carlinhos foi jogador e treinador do Flamengo.
ACRITICA.COM Manaus (AM)

A Gávea amanheceu de luto. Carlinhos – o Violino, com passagens pelo Flamengo tanto como jogador e treinador morreu na manhã segunda-feira (22), aos 77 anos, de insuficiência cardíaca, no Rio de Janeiro. Com atuação marcante no Rubro-Negro, o ex-volante ao deixar os gramados passou as chuteiras para o maior ídolo da história do clube: Zico.

Em nota oficial, o Flamengo anunciou a morte de Luiz Carlos Nunes da Silva. Carlinhos recebeu o apelido Violino por sua elegância no trato da bola e a precisão nos desarmes e passes em campo. Com a camisa rubro-negra o jogador atuou de 1958 a 1969, quando participou das conquistas de dois campeonatos estaduais e do Torneio Rio-São Paulo de 1961.

Herança histórica

Em 1954, Carlinhos recebeu as chuteiras de Biguá, quando ainda era garoto, na despedida do jogador. Violino repetiu o gesto quando “pendurou as chuteiras” em 1969. Quem recebeu os calçados do veterano atleta foi um menino que anos depois se tornaria o maior ídolo da história do Flamengo: Arthur Antunes Coimbra, o Zico.

Depois de deixar os campos, Carlinhos virou treinador e somou sete passagens pela Gávea. Pela habilidade de contornar crises, ficou conhecido internamente como "bombeiro", sempre disposto a apagar incêndios na equipe em momentos cruciais no clube.


Carlinhos teve passagem vitoriosa pelo Flamengo também como treinador. Foi campeão brasileiro em duas oportunidades: 1987 e 1992. Também conquistou o Campeonato Carioca em 1999 e 2000. Para completar, venceu a Copa Mercosul de 1999.

O Violino foi homenageado com a inauguração da "Praça Carlinhos", em 2011. O local fica ao lado do ginásio Togo Renan Soares, na Gávea, onde também foi erguido um busto de bronze do ex-jogador e treinador.


Publicidade
Publicidade