Publicidade
Esportes
Craque

‘Olimpíada é com o Gallo’, diz Dunga sobre seleção Olímpica

O treinador da seleção principal confirmou que seu foco no momento são as eliminatórias para Copa do Mundo de 2018. Com grande transição nas categorias de base, ele evitou falar sobre equipe da Rio 2016 03/03/2015 às 12:21
Show 1
Dunga evitou falar de Seleção Olímpica e só pensa nas eliminatórias para a Copa do Mundo.
Rodrigo Viga Gaier/Reuters Rio de Janeiro (RJ)

Em meio a um processo de reformulação nas categorias de base da Seleção Brasileira, o técnico Dunga evitou falar sobre o futuro da equipe olímpica e disse nesta segunda-feira (2) que seu foco está na disputa das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018.

A seleção olímpica que vai buscar em 2016 em casa o inédito ouro olímpico tem como técnico Alexandre Gallo, que deixou na semana passada o posto de coordenador das seleções de base da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) após uma campanha ruim no campeonato sul-americano sub-20, em que o Brasil terminou na quarta colocação.

Erasmo Damiani assumiu a função de reformulador da base e Gallo permaneceu como treinador das equipes sub-20 e olímpica.

"A seleção sub-20 e olímpica tem o Gallo. Eu já tenho trabalho árduo e, como bato na questão da hierarquia, não seria justo me pronunciar se aceitaria ou não (ser técnico do time olímpico)", disse Dunga a jornalistas.

"O Brasil chegou em quarto e não há motivo para terra arrasada. São jovens em formação", completou.

Dunga, que voltou a comandar o Brasil no ano passado após uma passagem de 2006 a 2010, já dirigiu também a seleção olímpica, em 2008, e ficou com a medalha de bronze.

A seleção principal inicia neste ano a disputa das eliminatórias e ainda tem a Copa América. Para o treinador, a prioridade é a vaga para o Mundial da Rússia, em 2018.

"Tem Copa América, amistosos que temos que ganhar, mas a prioridade é a eliminatória", declarou Dunga.

Na quinta-feira, o técnico convoca os jogadores para os primeiros amistosos de 2015, contra França e Chile, no fim do mês, na Europa. "Vai ser um ano bem duro e cada um vai ter que aproveitar a sua oportunidade", avaliou.

Dunga minimizou a ida de jogadores que estiveram em convocações anteriores, como Everton Ribeiro, Diego Tardelli e Ricardo Goulart para mercados de segunda linha do futebol mundial, como China e Arábia Saudita, dizendo que "o futebol está cada vez mais globalizado".

Publicidade
Publicidade