Publicidade
Esportes
Craque

Pais do nadador Pedro Nicolas criam instituto para ajudar jovens atletas em Manaus

Nadador amazonense de 13 anos faleceu em novembro de 2013 após ser vítima de um acidente de trânsito no Espírito Santo. Os pais dele criaram um projeto que atenderá 30 nadadores 11/01/2015 às 17:37
Show 1
Pais exibem a logo marca do Instituto
Lorenna Serrão Manaus

Um sonho que pode aliviar a dor de uma saudade eterna. Foi esse pensamento que levou a enfermeira Luciana Sena da Silva, mãe do nadador Pedro Nicolas Sena da Silva – morto aos 13 anos, em novembro de 2013, após ser atropelado em Vitória – a criar um instituto para ajudar os atletas da natação amazonense. O Projeto, que terá como sede o Fazendário Clube, Zona Centro-Sul de Manaus, começará a funcionar no dia 20 deste mês e a princípio atenderá 30 nadadores.

O Instituto Pedro Nicolas Sena da Silva é um sonho antigo da família, que sempre desejou fazer algo para ajudar crianças carentes. Depois do falecimento precoce do filho mais velho – um dos atletas mais promissores do Amazonas – Luciana, que também é mãe de Arthur Sena, de seis anos, resolveu buscar um novo fôlego para seguir em frente, mesmo sem ter mais o seu nadador número um, o preferido e o mais disciplinado e talentoso, ao seu lado.

“Nós sempre tivemos essa vontade de fazer algo pelas crianças, não necessariamente algo ligado ao esporte, mas alguma coisa que pudesse ajudar. Com o falecimento do Pedro, nós achávamos que nunca mais teríamos qualquer contato com a natação, mas parece que um anjo soprou em nossos ouvidos e nós decidimos então criar o Instituto Pedro Nicolas Sena da Silva”, contou Luciana.


Objetivo

O Projeto tem como objetivo principal prestar apoio aos desportistas locais e também aquelas crianças que querem praticar esporte, mas que os pais não têm condições de bancar as despesas. Segundo Luciana, os primeiros alunos do Instituto serão os atletas da equipe em que Pedro Nicolas treinava, e que no momento estão sem patrocinadores.

“Os meninos da equipe do Pedro treinavam na piscina de uma Universidade de Manaus, mas o patrocínio acabou e eles ficaram sem lugar para treinar. Por isso, nesse momento, decidimos que eles serão os primeiros atletas do Instituto, dessa forma serão treinados pelo técnico de natação Leandro Freire, no Fazendário, sem ter nenhuma despesa”, explicou.

Luciana contou ainda que o projeto, que não tem fins lucrativos e que oferecerá treinamento específico, além de fisioterapia, pretende ajudar também atletas de outras modalidades e por conta disso qualquer ajuda, seja ela financeira ou física, será muito bem vinda.

“Nós abrimos o Instituto com o dinheiro do DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres). Mas estamos em busca de patrocinadores. Até agora contamos com dois professores de natação e uma fisioterapeuta e buscamos formar parcerias com nutricionistas, médicos ou com qualquer pessoa que possa nos ajudar de alguma forma. Como sou enfermeira também poderei ajudar, caso seja necessário”, pontuou

“É muito difícil bancar um atleta de alto nível. Tem o treinamento, equipamentos, taxa de inscrição das competições e mais as viagens e hospedagens. Tudo é muito caro, por isso, queremos disponibilizar gratuitamente tudo o que um atleta precisa. Mas deixamos claro que o nosso objetivo não é formar campeões e sim pessoas de caráter. Isso com certeza é muito mais importante”, afirmou Luciana Sena.


Trabalho
Apesar de saber que terá muito trabalho pela frente, a enfermeira disse que está muito empolgada e que tem certeza que tudo dará certo. Mas revela que ainda vive um momento difícil e acredita que o Instituto Pedro Nicolas trará um novo ânimo para a vida dela e de toda família Sena da Silva.

“É muito complicado, hoje eu já consigo falar sobre o que aconteceu, mas a dor é a mesma. Tem um ano que o meu filho morreu e pra mim parece que tudo aconteceu ontem. A vida da minha família virou de cabeça pra baixo, nós vivíamos a vida do Pedro, as competições, as vitórias, as derrotas e de uma hora pra outra tudo mudou e ficou apenas um vazio. É difícil demais olhar os meninos da equipe dele treinando, eu na verdade, não consigo ver”, comentou Luciana.

“Mas Deus sabe o que faz e nós ainda temos o Arthur. Eu não queria que o meu filho tivesse uma mãe ‘morta-viva’. E isso me ajudou a sair da cama e foi fundamental para que eu visse no Instituto um novo ânimo para a minha vida. A natação era a grande paixão da vida do Pedro. Foi o esporte que ele escolheu e nós sempre o apoiamos, nunca cobramos que ele fosse campeão, mas ele foi porque era muito dedicado. Ele curtiu muito o sonho dele”, relembrou.

O acidente
Pedro Nicolas foi atropelado em Vitória, no Espírito Santo por um carro modelo Ford Fiesta – em cima da faixa de pedestres – quando atravessava a Avenida Beira-Mar, em direção ao Clube Álvares Cabral, onde disputaria o Campeonato Brasileiro Infantil de Natação de Verão. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu no dia 13 de novembro de 2013, no Hospital Infantil Nossa Senhora da Glória. “Eu já senti muita raiva do homem que atropelou o meu filho, hoje eu só queria ter a oportunidade de perguntar no que ele estava pensando na hora do acidente. Por que ele estava correndo? Pra onde ele estava indo? Mas até hoje não tivemos nenhum contato, ele nunca nos procurou nem pra dizer que sentia muito”, contou Luciana.

Contato:
Quem quiser contribuir com o Instituto Pedro Nicolas Sena da Silva pode ligar para o telefone (92) 9-9288 0904 ou enviar um email para - institutopedronicolas@hotmail.com

Publicidade
Publicidade