Publicidade
Esportes
Craque

Paulo Morgado retorna ao comando do Fast com missão de ‘arrumar a casa’

Retrospecto favorável viabilizou o acerto do retorno do técnico que fez um acordo razoável com o clube que incluiu um salário mensal acima de R$ 5 mil   13/03/2013 às 09:34
Show 1
Técnico Paulo Morgado já prepara time para semifinal
Paulo Ricardo Oliveira ---

De volta ao comando técnico do Fast Clube, Paulo Morgado, 38, terá em tese quatro dias para “arrumar a casa” até a primeira partida da semifinal do primeiro turno diante do São Raimundo. Isso se a chuva não atrapalhar. É pouco tempo para fazer experimentos e observações, e, por isso mesmo, o treinador lusitano disse nesta terça-feira (12) que dará preferência a jogadores que ele já conhece. “Mas não significa que os que eu ainda não tive chance de observar não irão jogar. Mas tenho muito pouco tempo para estabelecer um plano de jogo e por uma equipe competitiva em campo contra o São Raimundo”, explicou.

O técnico, nascido em Lisboa, se acertou com a diretoria do Rolo Compressor segunda-feira à noite. Além do salário mensal acima de R$ 5 mil, faz parte do acordo de premiação pela conquista do primeiro turno do Estadual e também bônus se o Tricolor passar à segunda fase da Copa do Brasil deste ano. O Fast estreia dia 10 de abril contra o CBR, de Alagoas, no estádio Roberto Simonsen, Clube do Trabalhador, Sesi, São José Zona Leste de Manus. A partida seria em Manaquiri (a 54 quilômetros de Manaus), mas teve que ser mudada em razão do pouco tempo de adequação do estádio Valdomiro Gusmão às exigências da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

No entanto, de imediato, o foco do Tricolor de Aço é mesmo o Estadual. A diretoria quer esquecer o vexame do último sábado diante do Penarol, quando foi derrotado por 5 a 0.

Em razão disso, recai sobre os ombros de Morgado a responsabilidade de levar o time à final do certame com apenas quatro dias para o primeiro jogo contra o Tufão da Colina. “O Morgado tem uma boa metodologia de trabalho, sabe trabalhar bem a dinâmica do jogo, e tem a jovialidade a seu favor. A equipe precisa jogar o que não vinha acontecendo”, comentou o vice-presidente do clube Claudio Nobre.   

Morgado fez um acordo razoável com o clube que incluiu um salário mensal acima de R$ 5 mil, mais premiação pela conquista do primeiro turno do Amazonense, além de bônus pelo avanço à segunda fase da Copa do Brasil. “Foi um bom acordo, dentro dos padrões de mercado”, diz o treinador.     

Além de pensar numa solução rápida para armar um time para o Tufão, Morgado tem outra preocupação: elenco inchado. Com a chegada do lateral Catatau nesta quarta-feira da Bahia, o número de jogadores sobre para 32. “Vamos reajustar o excesso”, antecipou.

Perguntas: Paulo Morgado Técnico do Fast Clube

1º Você volta ao Fast meio que na fogueira, com quatro dias até o primeiro jogo de uma seminfinal de turno. O que dará para fazer?

É muito pouco tempo para se trabalhar uma equipe, observar jogadores, experimentar táticas e estabelecer um plano de jogo. De imediato, digo que o elenco como um todo tem boa qualidade técnica. Vou dar preferência, em razão do pouco tempo, aos jogadores que já conheço. Mas não significa que os que ainda não tive chance de observar não irão jogar.

2º Qual o salário e quais as condições que você exigiu para aceitar a proposta?

(Risos) Foi uma proposta compatível com a realidade do mercado local. Há também premiação pela conquista do primeiro turno, se passar à segunda fase da Copa do Brasil. Eu gostei de trabalhar em Manaus e tenho família aqui. Então isso também pesou para que eu aceitasse a proposta do Fast, onde trabalhei ano passado com tempo, fazendo uma boa pré-temporada, quando conseguimos montar uma equipe competitiva.

3º O que a torcida pode esperar da equipe nessas semifinais?

Um time jogando pra frente, com força de grupo, aplicação tática, e, acima de tudo, comprometimento, com o resultado. Vamos ser bastante cobrados por isso (resultado) então vamos em busca da classificação com garra.

Publicidade
Publicidade