Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
Edição 99

Pela categoria super-leve, Ronys Torres faz luta principal do Shooto Brasil

Atual campeão dos ultra-leves, manacapuruense trava duelo contra o carioca Jefferson 'Mão de Pedra'



show_1_F1DBB4C8-779E-46B2-8FDA-8156DEEC9EBE.jpg Foto: Divulgação
20/12/2019 às 07:29

Nesta sexta-feira (20), no Rio de Janeiro, acontece a 99ª edição do Shooto Brasil. O evento de MMA, terá como luta principal o duelo entre Ronys Torres e Jefferson ‘Mão de Pedra’. Natural de Manacapuru, Ronys é dono do cinturão do Shooto na categoria ultra-leve (até 72,6kg). Porém, a luta contra Jefferson será pela categoria super leve (até 75,3kg).

“Fiquei 3 meses no Amazonas, ao lado das minhas filhas e família, totalmente de férias. Estava com 93kg quando cheguei no Rio, com o intuito de treinar para lutar em Barcelona, no PFL (Professional Fighters League), em uma categoria até 77kg, no final de novembro. Acabou não rolando e dei uma relaxada. Parei de fazer dieta, de focar nos treinos e aí foi quando o Dedé Pederneiras entrou em contato comigo, perguntando se eu tinha como colocar o cinturão do Shooto em jogo, no dia 20. Falei que não tinha como, pelo fato de ter apenas 3 semanas para me preparar“, explica o manacapuruense, de 33 anos.



Durante as 3 semanas de preparação, Ronys treinou bastante, focado principalmente na perda de peso. Um desafio que, para o lutador, sempre é complicado.

“Pra mim, a pior luta sempre vai ser contra a balança. Meu peso normal, treinando, é 88, 89, 90kg. Quando fico de férias, vou pra 93, 94kg. Nessas últimas 3 semanas, tenho comido 3 ovos fritos no almoço, com café preto e guaraná em pó. À noite, como um omelete de 3 ovos. Tem sido isso, com a energia praticamente no zero, mas o peso só baixa desse jeito. É sofrido, desgastante, mas essa dor e sofrimento são passageiros. Farei valer a pena esse tempo longe de toda minha família, dando a vida no ringue para trazer a vitória”, diz o lutador, que na madrugada de quinta-feira (19), bateu o peso.

Melhor entre os melhores

Pelo quinto ano consecutivo, Ronys foi considerado o melhor atleta de MMA do Brasil na categoria ultra-leve. Algo natural para quem não perde uma luta em solo brasileiro desde setembro de 2010. 

“Este ano, inclusive, alguns sites especializados me destacaram como melhor do Brasil peso por peso. Já faz muitos anos que não perco uma luta aqui no Brasil e fico muito feliz por continuar seguindo esse caminho de vitórias. Já lutei vários eventos fora, mas amo lutar aqui no Brasil, principalmente defendendo o cinturão do Shooto, que foi o evento que me levou aos eventos de fora. E foi o primeiro evento que eu sonhei em ganhar o cinturão”, finaliza Ronys.


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.