Quinta-feira, 18 de Julho de 2019
TALENTO

Pelo Grêmio do Parque 10, Victoria Cabral busca terceiro título no Peladão

Jogadora é um dos destaques do Grêmio do Parque 10 neste Peladão. Ela, com apenas 22 anos, conquistou títulos como jogadora profissional e também dois títulos no Peladão



WhatsApp_Image_2019-02-07_at_20.21.25_FE595301-2A48-4240-ABC7-5DEE041B84B2.jpeg Fotos: Denir Simplício
08/02/2019 às 16:15

A zagueira Victoria Cabral, jogadora do Grêmio do Parque 10, tem somente 22 anos, mas coleciona títulos no futebol, incluindo dois troféus de campeã do Peladão, e ela quer o terceiro. Ano retrasado, Victoria representou o Iranduba/3B e foi campeã; no ano passado, representando o Apolo, também foi campeã com a equipe, que superou o Salcomp; e, este ano, integrando o Grêmio, ela irá enfrentar novamente o Salcomp, junto com o time.

“A gente sabe que o nosso time tem tanta qualidade quanto o time da Salcomp, e temos certeza de que o que vai fazer a diferença dentro de campo vai ser a vontade, a garra e o título com certeza vai vir, se depender desses dois fatores”, garante Victoria.

Além dos títulos do Peladão, Victoria foi campeã amazonense de futebol pelo Iranduba, e campeã pernambucana, pelo Sport e, mesmo sendo uma das atletas que integrará o Iranduba em 2019, a jogadora não quis deixar de participar do Peladão. 

“O Peladão é o maior campeonato de peladas do mundo, então, tem muita visibilidadem, e eu decidi participar mais uma vez do Peladão para me dar ritmo de jogo porque estou voltando de férias - isso ajuda bastante, e  vim ajudar a dar competitividade para o time do Grêmio também”, explica Victoria.  

Jogos difíceis

Victoria está confiante que o Grêmio vai triunfar na final, mas relembra que o último jogo da sua equipe não foi fácil, e que vem pedreira por aí. “As equipes do Peladão são qualificadas. Nosso jogo mais difícil foi o da semifinal contra o time do Mauazinho (2-1, Grêmio), que teve um pouco de adrenalina,  abrimos o placar, mas elas empataram, e nós ficamos um pouco nervosas com a situação, não soubemos administrar muito bem, mas, no final, saímos com o resultado”, conta. 

Para a final, ela espera um jogo ainda mais duro. “A gente sabe que a final vai ser muito mais difícil do que foi a semi, até pela qualidade das meninas do Salcomp, que trabalham juntas e conseguem treinar, contribuindo para o bom jogo delas, mas, eu sei que os dois times estão bem preparados, e eu espero que vença o melhor”, disse a jogadora. 

Do Peladão até o Brasileirão

Quando não está na disputa do Peladão, Victoria integra times profissionais de futebol e costuma fazer jus ao seu nome, sendo vitoriosa. Ela foi campeã amazonense em 2016, com o Iranduba, e campeã pernambucana com o Sport Recife, em 2018. Este ano, ela fará parte novamente do elenco do Hulk, e está bem animada para a temporada. 

“O Iranduba está formando o elenco, que vai ser apresentado, vamos começar a treinar, e o time está com o objetivo de conquistar um título de maior expressão este ano; o time tem o objetivo de chegar a uma final ou a uma semifinal de Brasileiro, que eu acredito que seja o sonho de qualquer clube do Brasil, e acredito que o Iranduba tem uma grande chance de realizar isso, e se eu estiver presente, vai ser melhor ainda”, acrescenta.

O Campeonato Brasileiro A1 vai de março a outubro, e contará com a presença do Iranduba e dos principais times do Brasil, somando 16 equipes, no total.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.