Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
HISTÓRIA

Perto dos 20 anos, acesso do São Raimundo foi parte da ‘Ascensão do Tufão’

No dia em que "Star Wars - A Ascensão Skywalker" é lançado nos cinemas mundiais, o Portal A Crítica recorda o tempo áureo do Tufão da Colina



s_o_raimundo_100348CB-818F-4319-9072-17AE8CF6B67C.jpeg Foto: Reprodução/Internet
19/12/2019 às 08:02

Já é dezembro de 2019. Voltando 20 anos no tempo, chegamos ao período dourado do São Raimundo, um dos times mais tradicionais do futebol baré. Naquela época, o Tufão da Colina dominava não só o Amazonas, mas toda a região Norte do Brasil. E, mais precisamente, no dia 23 de dezembro daquele ano, o time do treinador Aderbal Lana conseguia em campo o acesso à Série B do Brasileirão.   

A glória veio após uma vitória por 2 a 0 sobre o Serra-ES, equipe que junto de Náutico e Fluminense faziam parte do quadrangular final da terceira divisão do futebol brasileiro com o São Raimundo. Em um  Vivaldo Lima lotado - habitual nos jogos da época -, a torcida comemorou o ingresso do Tufão da Colina à Série B, onde o clube esteve por sete temporadas. 



Fazendo jus ao lançamento desta quinta-feira (19) nos cinemas mundiais, Star Wars – A Ascensão Skywalker, o CRAQUE recorda esta época marcante  da ‘Ascensão do Tufão da Colina’, especialmente, o jogo final do quadrangular decisivo, que terminou com vitória amazonense e histórico acesso. Além de subir de divisão, em 1999 o clube conquistou o tricampeonato amazonense, sua primeira Copa Norte e chegou à semifinal da Copa Conmebol.


A ascensão do São Raimundo faz jus ao famoso filme da sequência Star Wars. Arte: Helinaldo Lima

'Subiu a Serra'

O acesso à Série B foi inédito para o São Raimundo. E ele veio em decorrência de uma grande campanha construída no Brasileiro Série C de 1999 - o clube amazonense terminou como vice-campeão, atrás apenas do Fluminense, que venceu um confronto direto via ‘tribunais’. No Vivaldão, o Tufão da Colina recebeu o Tricolor das Laranjeiras em uma partida que terminou empatada em 0 a 0. Porém, semanas depois, o resultado foi alterado para 1 a 0 em favor dos cariocas por conta de escalção de jogador irregular pelo lado dos amazonenses. 

Por sorte dos amazonenses, o Serra também perdera pontos por escalar um atleta irregular contra o Náutico, onde os pernambucanos levaram o 1 a 0 para casa e ficaram com os três tempos. Tira-teima que aconteceu em um Vivaldão lotado.


Com Vivaldão lotado, o São Raimundo dava show no final dos anos 90. Foto: Reproduçaõ/Internet

Na noite de 23 de dezembro de 1999, o São Raimundo recebeu os capixabas do Serra. Desafio superado em grande estilo com um vitória de 2 a 0, com gols de Neto e Guara. Na partida em questão, o craque Delmo passou em branco, mas nada que apagasse a campanha goleadora do camisa 9 do Tufão da Colina. 

“Temos memórias boas daquela época. Era um ótimo time, respeitado, com jogadores que se davam o respeito e tinham comprometimento”, afirmou Delmo, que marcou 10 gols na Série C e terminou a competição na terceira colocação do ranking da artilharia.

Período dourado

Sob o comando de Aderbal Lana, o São Raimundo viveu um final de anos 90 e início dos anos 2000 repleto de conquistas. Foram três edições do Barezão e três Copas Norte para o clube do bairro da Zona Oeste da capital. “O São Raimundo era um grande clube, que tinha um grande time. Fica a saudade de ter uma equipe organizada, onde todos procuravam fazer o certo. Não tenho saudades só do São Raimundo, mas do futebol que era jogado naquele tempo”, ressaltou o comandante Lana.

“O que marcou foram os resultados aqui dentro do Vivaldão. A torcida ia mesmo, pois sabia que era só alegria. O time fazia por onde”, concluiu o atacante amazonense Delmo.

News leonardo 9028af08 26fb 4271 b322 4409cded8370
Repórter do Craque
Jornalista em formação na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e repórter do caderno de esportes Craque, de A Crítica. Manauara fã da informação e que procura aproximar o leitor de histórias – do futebol ao badminton.

Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.