Publicidade
Esportes
HOMENAGEM AO ÍDOLO

Peruano chamado Zico se muda para Manaus em busca do sonho de ser jogador de futebol

O peruano Zico Humberto Gomez Arriaga disputa o Campeonato Amazonense Sub-15 pelo CDC Manicoré e busca conquistar espaço no futebol profissional no País do astro que lhe rendeu o nome 01/09/2018 às 04:11 - Atualizado em 04/09/2018 às 15:12
Show spo.jm03181 d765581f bebf 4029 9b5c e58722b21fd0
Na primeira rodada do Campeonato Amazonense Sub-15, Zico Arriaga foi o destaque do CDC Manicoré diante do Clíper ao marcar duas vezes. Foto: Junio Matos
Valter Cardoso Manaus (AM)

Zico. Nome de quatro letras que remete qualquer apaixonado por futebol a uma verdadeira viagem no tempo, com os lances mágicos do Galinho. Nos campos amazonenses, no entanto, um novo Zico dá os primeiros passos em busca de um lugar na  história do futebol. 

Peruano de 15 anos, Zico Humberto Arriaga desembarcou em Manaus em busca da chance de brilhar com a bola nos pés.  O nome carregado pelo jovem atleta faz referência a dois ídolos do peruano: o craque do Flamengo e seu pai que também se chama Zico. A referência ao Galinho foi ideia do avô que acompanhou do Peru tudo que o camisa 10 do Flamengo fazia mundo afora. 

O nome e o amor ao esporte passaram de geração para geração. A paixão pelo futebol, inclusive, foi que o trouxe toda a família do jovem para a cidade. “A decisão foi da mãe dele, que veio a passeio e ela falou para mim que o Zico não queria voltar para o Peru porque ele queria jogar em um time aqui no Brasil. Eu pedi demissão para viajar para Manaus e ficar aqui”, explicou o Zico Gomez, pai do jogador, que deixou o emprego de soldador no país vizinho para embarcar no sonho do filho.  O grande sonho do ex-jogador amador é simples, ver o filho seguir os passos do grande ídolo que lhe rendeu o nome e jogar pelo Flamengo. “Eu digo para ele: Você vai chegar, com muito sacrifício e esforço tudo se pode. E esse esforço ele está mostrando, tem boas notas, se comporta muito bem, cuida muito de sua alimentação”, revelou o pai.

O jovem talento peruano, no entanto, iniciou o caminho inverso do que seu nome sugere. Em Manaus, o primeiro clube onde o jovem Zico jogou foi justamente a escolinha do Vasco. Por lá, se destacou e foi liberado para a escolinha do Real Manaus, que disputa o Campeonato Amazonense Sub-15 representando o CDC Manicoré. No primeiro jogo do campeonato já deixou dois gols, que serviram como motivação para voos mais altos. “Vim aqui para Manaus para jogar, para mostrar o meu talento. Já estou me preparando há bastante tempo, desde que era pequeno. Joguei na minha primeira equipe quando eu tinha 7 anos e agradeço a todos os treinadores que me ajudaram a melhorar.  Eu estou trabalhando para chegar ao profissional e, se Deus quiser, Europa, Manaus ou no Peru, já estaria muito orgulhoso”, revelou o jogador de 15 anos, sem descartara possibilidade de defender o Rubro-Negro ou até mesmo outros clubes.  

Um dos responsáveis por guiar o jovem talento peruano em busca do sonho de ser jogador profissional conhece muito bem a trajetória vivida pelo adolescente. Victor Alonso, o Totti, é argentino e  coordenador técnico do CDC Manicoré. “Hoje em dia, o que percebemos muito é que o futebol está globalizado. O Brasil é penta e é o País da técnica, mas porque não pode aprender com um peruano, espanhol, argentino, alemão, francês? Acho muito enriquecedor, ainda mais para categorias de base”, explicou Totti.

Há pouco mais de oito meses em Manaus o meia-atacante ainda está se adaptando à nova realidade. “Estou desde o Natal aqui e consigo entender bem o português mas me falta falar um pouco melhor e quando jogamos, falo com meus companheiros para que me entendam”, explicou Zico.  Ainda assim, bastaram apenas alguns minutos na beira do gramado da escolinha onde o jovem jogador treina para entender que mesmo com origens diferente e sotaques diferentes, os ídolos podem ser os mesmos e língua universal do futebol se encarrega de fazer o jogo acontecer. 

Publicidade
Publicidade