Domingo, 21 de Julho de 2019
O dia seguinte

Pés no chão e cabeças nas estrelas

A conquista do tetracampeonato da Copa das Confederações traz mais responsabilidade sobre o Brasil.  Jogadores sabem que título é apenas o primeiro passo para o sonho do Mundial



1.png Júlio César e David Luiz estavam eufóricos com a conquista no Maracanã
01/07/2013 às 08:44

O feito de vencer a Espanha foi histórico, mas para os jogadores da Seleção Brasileira, foi apenas o primeiro passo de uma longa caminhada que o time terá até o sonho maior: o título da Copa do Mundo, no ano que vem. Para a equipe de Felipão é hora de ter pés no chão e não se deslumbrar com o título da Copa das Confederações. Veja fotos aqui.

“As pessoas ficam falando que a gente calou a boca de não sei quem e essas coisas, mas não queremos calar ninguém. Nós ainda temos muito trabalho pela frente. É claro que é um dia especial. A gente queria muita fazer uma partida digna e dar essa alegria para o nosso povo que está passando por um momento muito sofrido. Mas ainda precisamos evoluir muito”, reconheceu o lateral direito Dani Alves.

O discurso é o mesmo do zagueiro David Luiz, que teve uma atuação magistral. “Foi uma conquista emocionante. Este era nosso objetivo e a gente cumpriu até o fim. Mas a gente sabe que ainda não ganhou nada ainda. Temos que ter o pé no chão porque a gente quer crescer a cada dia”, disse o zagueirão do Chelsea.

O sempre questionado Hulk – que teve nesse domingo a sua melhor performance com a camisa da Seleção Brasileira -, acredita que a experiência do técnico Luis Felipe Scolari e do coordenado da Seleção, Carlos Alberto Parreira foi fundamental para a conquista. “É o primeiro campeonato do nosso grupo disputado com eles (Felipão e Parreira) e eles têm muita experiência e isso ajuda muito o nosso grupo. Mas a gente sabe que nunca tá perfeito e que nós ainda temos muita coisa para melhorar”, disse o paraibano.

Neymar era a cara da felicidade após o jogo contra a Espanha. Ele falou com o CRAQUE sobre a bagagem mais pesada que leva depois da Copa das Confederações: o título de melhor jogador do torneio. “Eu estou muito feliz. Vou entregar (o troféu de melhor torneio) na mão dos meus pais e falar: agora vocês têm que cuidar disso pra mim”, disse. O craque falou também sobre a experiência de jogar contra seus futuros companheiros de clube. “Jogar contra o pessoal do Barcelona foi uma honra. São grandes jogadores e eu fico feliz com o que a Seleção conseguiu fazer. Foi uma competição maravilhosa”, comentou. O mais novo contratado do Barcelona só se esquivou de uma pergunta: se o gol marcado foi um cartão de visitas para Casillas, que atua no arquirrival, Real Madrid. “Deixa isso pra lá”, respondeu sorrindo.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.