Publicidade
Esportes
Após atraso no prazo inicial

Piscina olímpica deve sair do Rio de Janeiro e chegar a Manaus no mês de setembro

O material virá do Rio de Janeiro em balsas e devem chegar em Manaus no mês de setembro. A instalação da piscina deve durar 90 dias 22/08/2017 às 21:37 - Atualizado em 23/08/2017 às 09:10
Show piscina em maria lenk aquatics centre durante o rio jogos ol mpicos 79186234
(Foto: Divulgação)
Camila Leonel Manaus (AM)

Na próxima semana, a piscina olímpica inicia a sua viagem do Rio de Janeiro para Manaus e deve chegar de 25 a 30 dias após a saída da capital carioca. A viagem deveria começar na última segunda-feira, mas razões burocráticas atrasaram a partida.  No entanto, o termo de cessão foi assinado e a piscina já está sob responsabilidade do Governo do Estado do Amazonas.

Além da piscina utilizada nas Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016, também deve vir para Manaus seis mesas para o Centro de Tênis de Mesa, que está sendo reformado na Vila Olímpica, e cinco tapetes de Luta Olímpica, doados no mês passado pela Confederação Brasileira de Wrestling, mas tanto as mesas quanto os tapetes ainda estão em negociação para vir junto com a piscina.

O titular da Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), Fabrício Lima, esteve no Rio para tratar do assunto e confirmou a assinatura do documento. “Já está tudo certo para que a piscina venha para Manaus. Fui ao Rio para resolver questões que eu particularmente não estava acostumado  como notas  de autorização, transporte e tem tudo isso, mas está encaminhado”, confirmou Lima.  Antes de chegar a Manaus, a embarcação deve passar por Recife.

Em Manaus, também já começaram os preparativos no parque aquático para receber o material. A limpeza da área para a retomada das obras começou na última segunda. “As obras já  voltaram. Na próxima semana vou pegar o feedback de como estão as obras porque a instalação da piscina depende da obra pronta. Ela vai ser montada por engenheiros italianos, trazendo o que há de mais moderno”, explicou, o secretário. Os engenheiros são funcionários da empresa italiana, Myrtha Pools, a mesma da marca do material, que mede 50x25 metros, tem 2 metros de profundidade e 15 anos de garantia de vazamento.  A instalação da piscina deve durar 90 dias.

O material que vem para a Vila Olímpica é homologado pela Federação Internacional de Esportes Aquático (Fina). “Com a homologação da Fina, quando tiver quebra de recorde em provas disputadas na Vila, eles são válidos. Isso também nos credencia junto ao Rio, que recebe o Troféu Maria Lenk, por exemplo, e à Bahia para a sediar competições internacionais”, completou.

A piscina custa R$ 5 milhões e foi doada pelo Ministério do Esporte, através de uma parceria com a Aeronáutica. Em contrapartida, o Governo do Amazonas irá arcar com a operação de transporte do material, algo em torno de R$ 48 mil. A Aeronáutica ainda irá custear também a montagem e a homologação junto à Fina.

Chegada após o prazo

Quando foi anunciada a doação da piscina olímpica para Manaus no dia 1° de novembro do ano passado, a previsão era de que ela chegasse em agosto deste ano´. Porém burocracias com documentação e questões com o transporte atrasaram a vinda do material. Na última segunda, a troca de comando da aeronáutica de Canoas, que possuía a responsabilidade da piscina, no Rio de Janeiro, gerou mais atrasos.

“Tivemos toda uma burocracia que a gente não contava, mas que era necessário para o bem do material que será trazido. Além disso, isso garante que ele venha livre de impostos por ser um legado olímpico e temos que ter toda a documentação para poder comprovar isso e não ter problema com a alfândega. Tudo isso feito junto com o pessoal da aeronáutica, guardiã da piscina”, explicou Fabrício Lima.

A piscina tem chancela internacional e conta com jatos assinados por uma empresa alemã, que não passa corrente e, consequentemente, não faz interferência no nado. Além disso, economiza 70% do cloro.

Publicidade
Publicidade