Publicidade
Esportes
Série Olímpica

Por Dentro da Regra: conheça o taekwondo, esporte que teve origem na Coreia

A arte marcial coreana tem como princípio o autocontrole, a força de vontade e o espírito de sacrifício 20/07/2016 às 14:54 - Atualizado em 20/07/2016 às 15:55
Show tae01
Taekwondo é o penúltimo esporte da série "Por Dentro da Regra" (Foto: Winnetou Almeida)
Lorenna Serrão Manaus

No penúltimo capítulo da série “Por Dentro da Regra” vamos falar sobre o Taekwondo, esporte que teve origem na Coreia há mais de três mil anos e que tem como princípio o autocontrole, a força de vontade e o espírito de sacrifício. A estreia em Jogos Olímpicos aconteceu na edição de Sydney em 2000. Nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, os atletas irão competir por quatro categorias de peso cada.

E para entender melhor todas as normas dessa modalidade o CRAQUE conversou com o mestre amazonense Raimundo Gomes, faixa-preta de taekwondo. “O princípio do taekwondo é baseado no significado da palavras. “Tae”, que quer dizer quebrar ou esmagar com os pés. “Kwon”, que significa quebrar os destruir com as mãos. E “Do” que quer dizer caminho ou via espiritual, meio pelo qual você vai atingir a perfeição pela prática do taekwondo, ou seja, a tão sonhada faixa-preta, que tem todo um caminho a ser trilhado”, comentou o mestre.

Ainda segundo Raimundo Gomes, o taekwondo é divido em marcial e competição. Marcial é feito para a defesa pessoal. O competição vem inserido de várias regras que foram criadas WTF -  Federação Mundial de Taekwondo.

“Uma competição oficial conta com três rounds de dois minutos cada, com intervalo de um minuto, com acréscimo de um round caso aconteça um empate. Esse round pode acabar assim que um dos atletas marcar o primeiro ponto. Vale ressaltar em algumas competição de menor importância esse tempo (três rounds) de luta pode ser readaptado com autorização da WTF”, completou Gomes. 

Faltas

As faltas no taekwondo (Kyong-go), que são diversas, podem definir o resultado de um combate. E são definidas em menor e maior gravidade. “Uma falta menor significa a perda de meio ponto. E uma falta mais grave um ponto inteiro. E em algumas situações, quando a mesma falta grave é cometida seguidamente, o atleta pode ser expulso. Ou então, se o lutador cometer cinco faltas graves diferentes ele também pode ser eliminado do confronto e o adversário leva a vitória, independentemente da quantidade de pontos”, explicou Gomes.

Vídeo replay

Nos Jogos do Rio, os atletas do taekwondo contarão com a tecnologia a favor deles. É que o vídeo replay irá dividir a responsabilidade com os árbitros das lutas. Para que erros e injustiças sejam evitados, os coletes, capacetes, luvas e meias agora contam com sensores eletrônicos.

Antes dos Jogos de Londres, em 2012, o sistema de pontuação dependia exclusivamente dos árbitros, mas após erros nos jogos de Pequim em 2008, quando a atleta da Grã-Bretanha Sarah Stevenson chegou a ser eliminada depois da arbitragem não marcar um ponto decisivo e só voltou a competição por conta de replays vistos em televisões - na época ela garantiu a medalha de bronze - o Comitê Olímpico Internacional (COI) e Federação Internacional de Taekwondo (WTF) resolveram recorrer a tecnologia.

“Na luta nós temos um técnico lateral para o atleta que está de azul e um técnico lateral para o atleta que está de vermelho. Ambos podem se manisfestar durante a luta para reinvindicar o vídeo replay, para rever um ato de ponto ou de falta”, comentou Raimundo Gomes..

“O taekwondo é muito versátil, uma luta que requer habilidade de ambas as partes e muita velocidade e por isso esses recursos eletrônicos são utilizados para que dê mais amparo e mais segurança para que o atleta não venha perder pontos que poderia prejudicá-lo na luta”, completou.

Equipamentos

Nas competições oficiais todo atleta deve usar protetores de canelas, protetores de braços, luvas nas mãos e nos pés, protetor de cabeça e protetor bucal.

Publicidade
Publicidade