Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
há vaga!

'Praticamente metade da Fórmula 1', quer vaga de Rosberg, diz Lauda

Presidente não-executivo da Mercedes, Niki Lauda, afirmou que tem sido sondado por pilotos para ocupar o posto de Nico Rosberg após o alemão anunciar aposentadoria



NICIT.jpg Depois da saída de Nico Rosberg, a Mercedes têm sido abordada por outros pilotos para preencher espaço deixado pelo alemão (Foto: Reprodução)
03/12/2016 às 15:52

A Mercedes foi abordada por metade do grid de Fórmula 1 desde que o campeão mundial Nico Rosberg anunciou sua aposentadoria, na sexta-feira (2), de acordo com o presidente não-executivo da equipe, Niki Lauda.

"Praticamente metade da Fórmula 1 e talvez mais. Estou constantemente recebendo ligações", disse o austríaco ao jornal italiano Gazzetta dello Sport neste sábado.

Lauda, um tricampeão mundial que anunciou sua aposentadoria em 1979 e voltou três anos depois para vencer o título de 1984, disse que ficou chocado quando Rosberg informou a ele sua decisão, algumas horas antes do anúncio.

"Eu não recebi bem a notícia. Não estava esperando isso. Ninguém na Mercedes imaginou que ele poderia dizer 'chega'. No começo eu não acreditei nele", disse.

"'Nico', eu disse. 'Você está brincando comigo? Isso é uma piada?'. Mas ele, com seriedade, disse que era tudo verdade. Realmente incrível".

Lauda, que afirmou que seu principal objetivo depois de conquistar seu primeiro título foi vencer outro, disse que a Mercedes não estava preparada para a situação e que não será fácil substituir Rosberg, com os outros principais pilotos já contratados.

"Contratar um jovem é um risco e não sabemos o quão forte ele seria", continuou o austríaco.

O piloto reserva Pascal Wehrlein, alemão de 22 anos que correu pela Manor este ano, é uma das poucas opções imediatamente disponíveis.

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, disse que todas as opções seriam consideradas, com a busca começando na segunda-feira (5).

Lauda afirmou que tem sido abordado por vaga de Rosberg (Foto:reprodução)  

Rosberg coletou seu troféu de vencedor em Viena, na festa de premiação, na sexta-feira, e esteve na fábrica da Mercedes-Benz, em Sindelfingen, Alemanha, no sábado, junto com Hamilton e outros membros da equipe.

Hamilton disse ao público que pretendia ficar na Mercedes por pelo menos mais dez anos, tendo sido parte da "família" desde os 13 anos, e que esperava conseguir aprender um pouco de alemão antes de se aposentar. 

"Se estiver procurando um professor de alemão, me liga, estou procurando emprego", disse Rosberg.

Hamilton, sorrindo ao dar tapa nas costas de Rosberg, com a acirrada rivalidade entre os dois agora nos livros de história, respondeu, brincando, que seu ex-companheiro seria o "pior professor de alemão que ele poderia ter".

"Ele me fala todas as palavras erradas", disse.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.