Sexta-feira, 27 de Novembro de 2020
FUTEBOL

Presidente do Fast Clube é absolvido de multa por confusão com os árbitros

Além de Denis Albuquerque, o supervisor de futebol e três jogadores do clube tiveram casos analisados



WhatsApp_Image_2020-04-03_at_16.56.10_7B983319-F356-4836-B39B-3A98A390F9BB.jpeg Foto: Sandro Pereira
03/04/2020 às 19:32

O Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol do Amazonas (TJD-AM) realizou na quarta-feira (1º), a primeira sessão remota de uma casa desportiva no Brasil. Um dos casos analisados pelo júri foi o do presidente do Fast Clube, Denis Albuquerque, que havia sido punido em primeira instância, no último dia 9 de março.

Na ocasião, o dirigente tentou invadir o vestiário dos árbitros, na partida diante do Manaus FC que terminou empatada em 1 a 1, eliminando o Tricolor de Aço na semifinal do primeiro turno do Campeonato Amazonense 2020. 



A punição do mandatário tricolor, na primeira comissão, tinha sido de multa de R$ 2,5 mil e quatro jogos de suspensão. No entanto, na sessão do pleno desta quarta, os auditores analisaram o caso e alteraram a punição em dinheiro.

O dirigente do Fast foi absolvido da  multa, e ainda teve a suspensão alterada: passou de quatro jogos para um mês de suspensão.

O mandatário do Rolo Compressor comentou o episódio e a decisão do TJD-AM.

“Errar todo mundo erra. Eu errei! Estava de cabeça quente, tomei decisões que não eram para serem tomados. Inclusive, já conversei com o árbitro e nos acertamos. É uma coisa que não vai voltar a acontecer da presidência do Fast. Tem que pensar muito no que vai fazer para depois não me arrepender”, disse Denis, que revela prejuízo incalculável com a paralisação das atividades por conta da pandemia da Covid-19. 

“Com os clubes parados, o Fast parado, com prejuízo incalculável, estamos fazendo o levantamento de tudo nesse momento”, afirma. 

Outros julgamentos

Além do presidente, o supervisor de futebol do Fast, Caio Veiga, teve a pena alterada. Sua multa de R$ 1.250,00 foi anulada. A suspensão de quatro partidas também foi transformada em 30 dias de ‘gancho’. 

Além dos dirigentes, três jogadores do Rolo Compressor tiveram os casos reavaliados. O lateral Emerson, que tinha sido suspenso por quatro jogos, teve a pena anulada. Os zagueiros Carlinhos e Caliari, que tinham sido absolvidos, acabaram recebendo dois jogos de suspensão.

Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.