Publicidade
Esportes
FUTEBOL

Princesa do Solimões ainda corre atrás de um atacante para vestir a camisa 9

Faltando duas semanas para a estreia contra o Internacional, pela Copa do Brasil, o time de Manacá ainda busca um homem de referência 02/02/2017 às 05:09
Show alberone
O técnico Alberone fala que vai trabalhar com o que tem, mas sabe da necessidade de um camisa 9 para o time (Foto: Antônio Lima)
Camila Leonel Manaus (AM)

A duas semanas de estrear na Copa do Brasil, o Princesa do Solimões treina e se prepara para o jogo do dia 15 de fevereiro contra o Internacional, mas o Tubarão de Manacapuru ainda está em busca do matador do time. O homem gol. O camisa nove. E a tarefa para achar tal jogador está sendo árdua para a diretoria do Princesa.

De acordo como o presidente do clube, Modesto Alexandre, o Princesa até havia conseguido, mas uma proposta de última hora fez o jogador recuar e arrumar as malas.

“A gente conseguiu um nessa semana, mas ele chegou de noite e viajou de manhã. Ele chegou aqui e o pai dele ligou que ele tinha arrumado um contrato na Tunísia. O jogador mesmo pagou a passagem de volta e a gente está com essa dificuldade. Ainda não conseguimos esse atacante. Amanhã vem mais dois que são daqui de Manacapuru e vamos tentar encontrar um até a outra semana”, disse.

O treinador Alberone explica que essa dificuldade de encontrar o camisa 9 do Princesa se deve ao calendário. Para ele, os melhores jogadores já têm clube. Isso deixa mais escasso o número de jogadores no ataque.

“A gente tem que entender que nessa época do ano para contratar um camisa 9 de peso não é tarefa fácil. Os campeonatos pelo Brasil já começaram e os bons jogadores já estão empregados, principalmente o camisa nove, que todas as equipes precisam de um modo geral. Mas o Modesto tem sido inteligente. Temos pouco tempo para esse compromisso nosso contra o Internacional e estamos trabalhando com os atletas que a gente tem. Nossa realidade é essa e dentro dessa realidade estamos tentando fazer o nosso melhor”, explicou.

No atual elenco do Princesa, os atacantes disponíveis são Marinelson e Canhoto, ambos jogam pelas beiradas do campo. Sobre a possibilidade de jogar com um falso nove caso não consiga contratar o jogador para atuar centralizado, o técnico do Tubarão fala que isso vai depender do esquema tático que ele irá utilizar na partida. Algo que ainda não foi decidido.

“Isso é relativo. Nessa questão do falso nove, vai depender do sistema que a gente vai adotar. Qualquer treinador gostaria de um camisa 9 de referência, que faça gol. Mas se não tem aquele cara de referência, vamos trabalhar com jogadores pelas beiradas do campo e montar o sistema de jogo nosso que a gente possa atuar bem”, completou.

No ano passado, o jogador que  fazia a função de atacante centralizado era Jefferson Araújo. Com a camisa do Princesa, ele marcou nove gols no Campeonato Amazonense do ano passado. Em 2017, porém, o jogador veste a camisa do Nacional.

Além de um camisa 9, o técnico Alberone diz que outros setores do campo carece de reforços. Um deles é o sistema defensivo, que conta com dois zagueiros apenas. “Só temos dois zagueiros no nosso time e mesmo para uma Copa do Brasil precisamos de reforços porque pode ser uma competição que pode ser longa ou curta. Mas o trabalho é esse que a gente vem realizando dentro das nossas condições”, concluiu.

Publicidade
Publicidade