Quarta-feira, 24 de Julho de 2019
RIVAIS

Princesa e Fast falam sobre expectativas para a Copa do Brasil

De volta à Copa do Brasil, o Rolo Compressor enfrenta o Vila Nova, de Goiás. Já o Princesa do Solimões vai encarar o poderoso Internacional, recém rebaixado para a Série B do Brasileiro



zCR081601_p01__2_.jpg Quatro anos depois, o Fast está de volta à Copa do Brasil (Foto: Winnetou Almeida)
16/12/2016 às 05:00

Fast e Princesa conheceram nesta quinta-feira (15) seus adversários na Copa do Brasil. Enquanto o Tricolor de Aço jogará contra o Vila Nova, de Goiás, o Tubarão enfrentará o Internacional, de Porto Alegre.

Os dois representantes do Amazonas jogarão em casa. A data e o local dos jogos ainda não foi definida, mas deve acontecer no mês de fevereiro.

O Princesa do Solimões terá um adversário de peso pela frente, o Internacional de Porto Alegre e o time de Manacapuru já começou os planos para a competição.

“A gente começa a montar o time partir de segunda. Temos alguns atletas em Manacapuru que a gente deve aproveitar e  vamos tentar contratar o restante porque tem que ter no mínimo 40 dias de preparação”, disse o presidente recém eleito do Tubarão, Alexandre Modesto. Entre os jogadores estão os goleiros Raisci e Paulo Victor e o volante  Toró, além de membros da comissão técnica.

Para treinar o time, Modesto contou que há conversas com Aderbal Lana e que a situação deve ser resolvida até segunda.

“Não sabemos se vamos chegar a um denominador comum. Ele é o melhor técnico do Amazonas e estamos conversando, mas segunda a gente define”, disse o cartola.

O dirigente, porém, lamenta o fato do Princesa não ter pego um time de São Paulo ou do Rio de Janeiro, que reúne mais torcedores no estado do Amazonas.

“No nosso pote tinha Internacional, Fluminense, Corinthians e São Paulo. No nosso estado existe a tradição de times cariocas e paulistas e caindo um desses, com certeza a renda seria melhor, mas mesmo tendo caído o Internacional é um grande time e não é a mesma equipe que virá para cá. Mas vamos montar um time para jogar de igual para igual e a vantagem do empate é deles, mas não vamos deixar fácil para eles”, disse.

Esperança 

Já no Fast, existe a esperança de que o Rolo Compressor supere o adversário goiano que disputa a série B do Brasileiro.

“Gostamos do adversário. O Vila Nova não é tão tradicional e principalmente jogando aqui, em um jogo é possivel superar o adversário. Vamos tentar trabalhar, fazer uma boa equipe para tentar passar por este adversário”, disse o vice-presidente do clube, Cláudio Nobre.

Outro fato que faz Nobre crer em uma classificação é que nas seis participações em Copa do Brasil, o Fast nunca foi eliminado em casa. Como os jogos tinham ida e volta, o time amazonense, sempre conseguiu o feito de levar a decisão para o segundo jogo.

“Agora que os times de fora têm a coisa do empate, eles não vão vir pelo empate abertamente, mas favorece eles. O Fast tem a obrigação de vencer aqui. Será um jogo de xadrez. É jogo único e tudo pode acontecer”, explicou.

Mudanças

No ano de 2017, a Copa do Brasil tem novidades no regulamento. Nas primeiras fases os times jogarão partida única. As equipes com menor colocação no ranking joga em casa, porém, o visitante tem a vantagem do empate para se classificar.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.