Publicidade
Esportes
jiu-jítsu

Projeto social ‘Sementinha’ expande suas atividades para o Careiro da Várzea

Até o momento já existem mais de 60 alunos inscritos no projeto, que pretende atender pelo menos 120 atletas com idades entre cinco e 16 anos 20/05/2016 às 11:45
Show hfgjhghj
Abner Cruz (de quimono azul ao centro) coordena o projeto social ‘Sementinhas’
Dani Brito Manaus (AM)

O município de Careiro da Várzea ganhará nesta sexta-feira, a primeira escolinha de jiu-jítsu da cidade, com o “projeto Sementinha”, idealizada pelo professor de educação física e faixa preta da “arte suave”, Abner Cruz. O evento de inauguração será realizado às 14h, na Escola Estadual Coronel Fiuza, que fica na rua 2 de Janeiro, Centro.

De acordo com Abner, até o momento já existem mais de 60 alunos inscritos no projeto, que pretende atender pelo menos 120 atletas com idades entre cinco e 16 anos. “Nosso objetivo é beneficiar esses pequenos com técnicas do jiu-jítsu e seminários com grandes nomes do esporte aqui no Amazonas. Queremos que esses meninos se espelhem em bons exemplos e não queiram se envolver com coisas erradas, como as drogas, por exemplo”, explicou o faixa preta. O Sementinha irá funcionar no Ginásio Poliesportivo Adamir de Souza Monteiro, que fica no Centro do município.

As aulas irão ser realizadas em dias de terça e quinta-feira, das 17 às 19h, e aos sábados, das 14 às 17h. Ainda há vagas para novos alunos. Para se inscrever, é necessário ter entre cinco e 16 anos e frequentar a escola. “Pretendemos além de ensinar a arte marcial, melhorar o desempenho escolar e familiar desses atletas”, informou Abner Cruz.

Este é o segundo projeto social que o faixa preta realiza. O primeiro, batizado como “Semente”, já existe há mais de seis anos e já rendeu campeões regionais, brasileiros e mundiais. “Como já trabalhamos há um bom tempo no Coroado, hoje em dia já temos alguns destaques nacionais dentro do projeto”, revelou. Em Manaus o Semente funciona na rua Cristo Rei, bairro Coroado, zona Leste de Manaus e atende cerca de 80 crianças de baixa renda. As aulas são ministradas pelos professores Abner, Christian Rocha e Marcos Rocha, todos faixa preta de jiu-jítsu.

Publicidade
Publicidade