Publicidade
Esportes
Craque

'Quem é da terra veste a camisa': Operário demite 'estrangeiros' e aposta na prata da casa

Diretor de futebol do Operário revela ao CRAQUE a nova política do Sapão para engrenar no Amazonense: investir em jogadores da própria região; jogadores de fora não teriam compromisso com o time 19/03/2015 às 20:09
Show 1
Bazinho é uma das apostas locais do Operário, time pelo qual já jogou em 2011
Felipe de Paula Manaus (AM)

Após quatro derrotas seguidas no Barezão, a diretoria do Operário já sabe a fórmula que buscará para tentar se redimir com a torcida: valorizar a prata da casa. Para isso, o time de Manacapuru deve divulgar hoje uma lista de seis demitidos. Cinco são de outros estados.

Segundo o diretor de futebol Felipe Santos, os jogadores da região criam maior identificação com o clube de Manacapuru e o resultado aparece dentro de campo.

“Quem é da terra joga por amor à camisa”, diz ele. “Nos dos primeiros jogos, nós jogamos com oito jogadores daqui”, acrescenta Felipe, em referência aos jogos contra Princesa do Solimões (2 a 2) e Nacional (derrota por 3 a 2), em que o time surpreendeu e disposição dos seus jogadores em campo.

“Nos outros três, colocamos os reforços que chegaram de fora e começamos a jogar feio e perder”, lamentou Felipe,  que tem apenas 20 anos, mas fala com firmeza de diretor.  “É a dança das cadeiras. Quem não dançar conforme a música, sai”, diz o diretor.

Publicidade
Publicidade