Quinta-feira, 14 de Novembro de 2019
E-SPORTS

Quem é Heitor 'Duster' Pereira, o 'Neymar' do e-sport brasileiro

Gamer de Dota 2 é reforço do Freestyle, que tenta se classificar para o Mundial do jogo, em 2020



HEITPOR_AB80D116-27F6-4CAF-80F6-72BAA310288E.JPG
04/10/2019 às 14:11

Considerado um dos melhores jogadores de Dota 2 do Brasil, Heitor “Duster” Pereira está de volta aos games nacionais em 2019. Após permanecer um ano sem atuar, o atleta foi contratado pela equipe Freestyle para tentar levar o time ao The International, maior competição de Dota 2 do Mundo, realizado pela Valve.

Com apenas 19 anos, Duster é um dos nomes mais buscados em sites como o bet on Dota 2. Figurinha carimbada na lista dos melhores jogadores do Brasil, ele atua na função de suporte - responsável pela estrutura da equipe durante todo o jogo, ele tem papel fundamental para que seu time seja vitorioso. Os suportes, apesar de estarem condenados a nunca matar muitos heróis inimigos, tem grandes habilidades.



Assim como a popularidade de Heitor Duster, o número de jogadores de Dota 2 também não para de crescer no Brasil. O fato de uma equipe brasileira, a paInGaming, ter feito a estreia no Campeonato Mundial do ano passado, tem aumentado o número de interessados na modalidade eletrônica. Atualmente, canais esportivos de TV como Sportv e ESPN Brasil têm dedicado horas de programação a campeonatos e notícias sobre os jogos.

Dota 2 é um jogo eletrônico que tem como base destruir a equipe adversária em um cenário composto por torres e criaturas lendárias. As equipes são formadas por cinco integrantes, que possuem habilidades e posicionamentos distintos entre si. Para se ter uma dimensão da importância do e-sports no mundo hoje basta saber que o dinamarquês Johan Sundstein, de 25 anos, ganhou mais de 6 milhões de dólares (R$ 28 milhões), após vencer o The International, principal torneio de Dota 2 do mundo.

Heitor Duster ainda não ganhou tanto dinheiro, mas suas últimas premiações fazem inveja a qualquer executivo de uma grande empresa. Em abril do ano passado, por exemplo, sua equipe ficou na segunda colocação do World Eletronic Sports Games. A equipe dele levou para casa 300 mil dólares (R$ 1,5 milhão) . Segundo o site "esportsearnings" Duster já faturou, sozinho, 116 mil dólares (R$ 600 mil), com menos de 20 anos. De acordo com a mesma publicação, ele é o 17º melhor jogador do Brasil em Dota 2. No ano passado, Duster ficou entre os três melhores jogadores de Dota 2 do país, durante a premiação eSports Brasil 2018.

Atual capitão da Furia, Duster também já atuou pela paiNGamming, pelo Team Canarinho e pela Vince Te Ipsum. Em uma entrevista ao site VPesports, o jovem afirmou que começou a jogar quando tinha 13 anos, por influência dos três irmãos mais velhos, "viciados em Warcraft. "Eles ficavam jogando o tempo todo e eu estava sempre olhando e esperando minha vez de poder jogar também. Ganhei meu primeiro computador em 2010 e, desde então, não parei de jogar", disse. Apontado como um jovem promissor dentro do Dota 2, Duster afirma que agora ele é a referência dos irmãos quando o assunto são os games. "Eles são os meus maiores fãs. Meus pais também entenderam que isso pode ser uma profissão e me apoiam o tempo todo", completou.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.