Quinta-feira, 29 de Outubro de 2020
futebol

Raio-X: conheça os scouts de Mateus Oliveira e Simionato na Série C

A Crítica traz uma análise dos atacantes que brigam pela titularidade do Manaus no Campeonato Brasileiro da Série C



futebol_CC4B0C73-DA28-48FB-90AC-252A9DE6EA72.JPG Da esquerda pra direita, Paulinho Simionato e Mateus Oliveira. Fotos: Ismael Monteiro/MFC
19/09/2020 às 09:52

Mateus Oliveira e Paulinho Simionato, a dupla de centroavantes do Manaus FC na atual temporada despertou dúvidas no torcedor amazonense sobre quem deveria ser o titular absoluto do Gavião do Norte. Alguns usam o histórico de 2019 e a forma física para defender a manutenção de Mateus, outros destacam que a velocidade e o poder de definição de Simionato são características fundamentais para assumir a vaga. Pois bem, o A Crítica, em parceria com o site Camisadozeam, traz para você os scouts dos dois atacantes com objetivo de contribuir com o debate na hora de escolher quem deve assumir a responsabilidade de ser o homem de referência no ataque do representante baré no Campeonato Brasileiro da Série C.

Antes de mais nada, é necessário trazer alguns números, ainda do Campeonato Amazonense e Copa do Brasil de 2020, para quem ainda não acompanha de perto esta disputa entre os atletas ou simplesmente não se atentou para os detalhes, entenda o porquê da discussão de tempos em tempos tomar o centro do debate.



Se em 2019, com 26 partidas, Mateus Oliveira foi um dos principais artilheiros do Manaus, fazendo oito gols e sendo o principal goleador da equipe na Série D ao lado de Hamilton, em 2020 o atacante ainda não conseguiu manter uma regularidade. No Barezão foram três gols e uma assistência em nove partidas, inclusive, um desses foi na final do 1º turno, na vitória por 4 a 1 contra o Amazonas. Mateus não conseguiu marcar nas duas partidas da Copa do Brasil.

Paulinho Simionato chegou ao Manaus em 2020 para sua primeira experiência atuando no futebol do norte. O atacante que teve sua melhor temporada em 2018, quando defendia a equipe do Ypiranga-RS, chegou à capital amazonense justamente para disputar a vaga de titular com o Mateus. Só nas primeiras quatro partidas, todas vindas do banco, Simionato foi às redes três vezes, colocando uma pulga atrás da orelha do até então técnico da equipe amazonense, Welington Fajardo. Mas quando teve oportunidade de começar jogando contra o Penarol e Iranduba, o atacante não conseguiu repetir o mesmo desempenho de quando entrava com o jogo em andamento. Tanto que o atleta voltou para o banco de reservas e só voltou a começar uma partida após a saída de Fajardo do comando técnico do Manaus.

Mateus Oliveira na Série C

Titular no último jogo da era Fajardo no Manaus FC e nas primeiras duas partidas de Luizinho no comando do Gavião na Série C, das seis partidas da equipe amazonense no certame, Mateus esteve em quatro jogos, sendo três como titular. As únicas partidas em que o centroavante não entrou em campo foram justamente as últimas duas, contra o Ferroviário-CE e o Treze-PB.

Finalizações são um problema

Somando os quatro jogos, o atacante soma 220 minutos atuando, ainda sem conseguir balança as redes ou dar assistências. Logo de cara, o que mais chama atenção é o número de finalizações, Mateus tem apenas uma em quatro partidas (média de 0,25 por jogo), esta única finalização foi justamente no alvo. Mas há um problema dentro da equipe que com o decorrer deste texto iremos nos aprofundar melhor.

Setor de criação compromete

Nos passes certos o atleta conseguiu completar 38 dos 51 durante a competição (média de 74% de aproveitamento). Logo de cara, isso pode mostrar apenas uma média abaixo de Mateus, mas é necessário entender que o setor de criação é muito importante para esta característica, idem para finalizações. Dos cinco gols do Manaus na Série C, três tiveram assistências: Igor contra o Vila Nova, Fumaça contra o Paysandu e Hamilton contra o Treze. Então se tirarmos Hamilton desta equação, tanto Janeudo e Gabriel Davis, – os dois atletas que mais estão sendo usados para este setor -, não tiveram participação direta em nenhum gol do Manaus nas primeiras seis rodadas.

Jogo aéreo e defensivo

Os duelos aéreos mostram um aproveitamento abaixo do que alguns defensores do atacante usam para defender sua permanência entre os 11, mas não é algo negativo se observamos que Mateus é um atleta com altura para o padrão de atacantes. Foram 11 duelos ganhos de 27 que disputou (aproveitamento de 40,7%). Já nos dribles, Oliveira teve quatro, dois na partida contra o Vila Nova-GO e dois contra o Paysandu, curioso notar que as duas partidas aconteceram na Arena da Amazônia.

Já no aspecto defensivo, o atleta apresenta dois desarmes em quatro jogos (média de 0,5 por jogo), todos na partida de estreia contra o Vila. Mateus tem quatro interceptações (média de um por jogo), cometeu 10 faltas (média de 2,5 por jogo) e sofreu 13 (média de 3,2 por jogo).

Paulinho Simionato na Série C

Simionato entrou pela primeira vez na atual edição da 3ª divisão apenas na 2ª rodada, contra o Botafogo-PB. Ao todo, o atacante soma 311 minutos, fez dois gols, um contra o Paysandu-PA, na 4ª rodada, que quebrou um tabu de 12 anos sem vitória de um time amazonense na competição, e o gol de pênalti contra o Ferroviário-CE, na 5ª rodada, que evitou a derrota do time amazonense.

Simionato é mais participativo que Mateus?

O atacante de 31 anos tem um total de sete finalizações em cinco jogos na Série C de 2020 (média de 1,4 por jogo), cinco delas foi no alvo (média de 1 por jogo). Algo curioso nos scouts é que Simionato mesmo tendo mais minutos em campo comparado ao Mateus Oliveira, ele apresenta menos passes, foram 42 ao todo, tendo acertado 33 (aproveitamento de 78% de acerto).

Menos driblador do que parece

Nos duelos aéreos, Simionato consegue vencer apenas 22% das disputas, foram 4 duelos ganhos em 18 oportunidades, um pouco mais da metade do aproveitamento total de Mateus. Um scout surpreendente é o número de dribles do atacante, que tem apenas duas em cinco partidas (média de 0,4 por jogo), numero esse que se repete nos desarmes, também foram apenas duas e obtendo a mesma média de 0,4 por partida.

Em comparação com o Mateus, Simionato sofre menos faltas e comete menos faltas: são sete sofridas (média de 0,4 por jogo) e quatro cometidas (média de 0,8 por jogo). O atual atacante titular da equipe do técnico Luizinho Lopes tem quatro interceptações (média de 0,8 por jogo).

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.