Publicidade
Esportes
Libertadores Feminina

Reforços do Iranduba realizam primeiro treino e falam sobre adaptação

Recém-chegadas em Manaus, Andressinha, Camilinha e Raquel treinaram pela primeira vez com o grupo e falam em adaptação tranquila antes da estreia na Libertadores 13/11/2018 às 17:57 - Atualizado em 13/11/2018 às 17:59
Show dupla 9b452ed7 13ab 48ef b4f9 4b44c8b6412c
Foto: Euzivaldo Queiroz
Camila Leonel Manaus (AM)

Na semana de estreia da Libertadores ainda é possível ver caras novas no treino do Iranduba. Trata-se dos reforços do clube que desembarcaram em Manaus na tarde de segunda-feira (12). Fluentes na linguagem universal que é o futebol Andressinha, Camilinha e Raquel não tiveram muito trabalho para se entender com a bola e com as companheiras de time durante as atividades, a primeira delas com o grupo - cujo foco foram as finalizações - no CT Barbosa Filho, Zona Leste de Manaus, na manhã de terça-feira (13).

“Já conheço um pouco mais aqui que as minhas companheiras porque disputei o amazonense e já tem um entrosamento maior e deu para matar a saudade. Foi muito legal a recepção, nos receberam muito bem e espero entrosar cada vez mais junto com o grupo”, disse a meia Andressinha, que passou alguns conselhos para as outras jogadoras recém-chegadas.

“Ela falou que realmente era muito quente aqui e ela está certa. Jogamos com a Seleção ano passado e não é que a gente tenha se acostumado, mas conhecemos como é o clima daqui. Conhecemos também a torcida que acolhe a gente e nos deixa à vontade. Acompanhei alguns jogos do time no Brasileiro e a rivalidade dos times daqui também. É uma grande equipe”, relatou a lateral Camilinha.

Das duas jogadoras, a atacante Raquel é a que esteve mais recentemente em Manaus. Ela jogou no Brasileiro contra o Iranduba quando ainda vestia a camisa da Ferroviária. A expectativa dela é jogar com a torcida a seu favor.

“Então, acho que jogar a Libertadores vai ser incrível. Nós vemos como o time está entrosado e tem o apoio da torcida. Uma parte excelente fora de campo. Então eu acho que vai ser uma experiência bacana”, disse a jogadora que foi campeã da última edição da Libertadores pelo Corinthians/Audax. Sobre disputar novamente a Libertadores, ela mencionou que a maior vantagem de jogar no Brasil é a parte da alimentação.

“Eu acho que é bom mais pela comida. Foi muito difícil ir para outro país. Não estávamos acostumadas com a comida, então a parte de comer bem ajuda bastante”.

Debutantes

Se Raquel já conquistou um título na Libertadores, Andressinha e Camilinha ainda não disputaram a competição continental. A jogadora conta que a expectativa aumenta a cada dia que passa. “Sem dúvida a gente vai sentir mais quando chegar mais próximo do fim de semana e entrar no gramado. A torcida vai comparecer e a gente vai sentir ainda mais esse clima de Libertadores. É uma competição que tem muita tradição no Brasil e sabemos das dificuldades que teremos porque as equipes são qualificadas”.
Camilinha além da estreia recebeu conselhos de Marta que jogava com ela no Orlando Pride e já venceu a edição de 2010 da Liberta.

“Essa é a minha primeira Libertadores. Estou feliz por essa oportunidade. É uma competição importante e vou dar o meu melhor. A gente não comentou muito sobre porque a Marta tem vários compromissos, mas logo que ela soube ela disse ‘garotinha, vai para cima e aproveita porque é gostoso jogar ma Libertadores e para o currículo de uma atleta é muito importante”, contou.

Publicidade
Publicidade