Publicidade
Esportes
Craque

Reforma da pista de atletismo da Vila Olímpica se arrasta há quase 3 anos, em Manaus

Atletas amazonenses enfrentavam enormes dificuldades em sua preparação para representar o Estado em competições pelo país 04/11/2014 às 13:54
Show 1
Enquanto a obra não anda, os atletas amazonenses sofrem e precisam improvisar para treinar na pista de atletismo
alírio lucas ---

Em outubro de 2012, os materiais para os devidos reparos da pista de atletismo da Vila Olímpica chegaram em Manaus. A reforma da pista já se arrastava a um certo período e os atletas enfrentavam enormes dificuldades em sua preparação para representar o Estado em competições pelo país.

Mas, o que era para durar apenas 90 dias, já se arrasta por mais de dois anos e virou um grande “pesadelo” para os atletas, que continuam utilizando o espaço na base do improviso e de forma totalmente inadequada.

Diversos fatores influenciaram para os atrasos da conclusã da pista. O mais recente, é que mais de 150 baldes contendo a cola que seria utilizada na obra se estragaram, por conta da demora nos reparos.

De acordo com a presidente da Federação Amazonense de Atletismo, Margareth Bahia, o problema se arrasta por conta das empresas PlayPiso e Mondo Spazio, responsáveis pela fabricação e execução dos reparos na pista respectativamente.

“A pista de atletismo não está passando por reforma, mas sim um reparo da garantia. Tudo porque um determinado pigmento da antiga pista deu problema. Só que esse problema não foi causado por temperatura ou excesso do uso da pista e sim um erro de fabricação. A Mondo demorou a executar a obra, pois eles alegaram que existiam outros problemas na pista e queriam que a direção da Vila Olímpica fizesse este reparo”, contou a presidente da federação. De acordo com Margareth, a “briga” com a Mondo só terminou em junho deste ano, quando finalmente houve um acordo para a execução dos serviços. O problema é que o material adquirido para a obra já havia se estragado. “Em junho eles fizeram a raspagem para finalmente fazer o serviço. Mas, quando abriram as latas de cola, tudo estava tudo estragado”, concluiu Margareth.

O diretor-técnico da Fundação Vila Olímpica de Manaus (FVO), Ariovaldo Malizia, confirmou o problema, mas revelou que desde setembro está sendo esperado o novo material, que está vindo de navio do Canadá. “Houve esse descordo entre as empresas o que acabou atrasando as obras, mas acredito que daqui mais uns 20 a 30 dias esse material deva chegar e os devidos reparos serão feitos. Esperamos que tudo fique pronto este ano. Não é certeza, mas é o que esperamos”, afirmou Malizia.

Publicidade
Publicidade