Publicidade
Esportes
Craque

Repouso necessário: FVO apresenta cronograma para recuperação do gramado da Arena

Diretor-presidente da Fundação Vila Olímpica, Aly Almeida, apresentou planejamento técnico para restabelecimento do campo de jogo que vai desde dezembro próximo até o dia 23 de maio do ano que vem, quando o estádio será entregue aos cuidados da Rio 2016 30/11/2015 às 09:44
Show 1
O gramado da Arena passará por grande período de recuperação.
Denir Simplício Manaus (AM)

A última vez que os craque do futebol “comeram a bola” na Arena da Amazônia foi no dia 12 de outubro último, quando a Seleção Olímpica goleou o Haiti. De lá pra cá quem vinha, literalmente, comendo no estádio construído para a Copa do Mundo eram as lagartas, que estavam devorando o sensível gramado do local. A falta de pagamento por parte do Governo do Estado à empresa Greenleaf levou a suspensão da manutenção no campo de jogo da Arena e o que antes era um tapete verde, em pouco tempo deu lugar a um mini-deserto.

Na última terça-feira (23), a Fundação Vila Olímpica (FVO) anunciou que o débito do Estado com a Greenleaf havia sido quitado e os cuidados no campo de jogo da Arena e dos estádios Carlos Zamith e Ismael Benigno, a Colina – os chamados Cot’s (Centro de Oficiais de Treinamento) - estavam restabelecidos. No entanto, o gramado da Arena da Amazônia passará por um minucioso processo de recuperação. Serão 90 dias de trabalhos como adubação granulada e foliar, pulverização de inseticidas e fungicidas, irrigação programada, vários tipos cortes especiais para o melhor crescimento da grama, entre outros cuidados, tudo isso para que o estádio seja entregue ao Comitê Organizador dos Jogos em plenas condições de uso para a realização do Torneio Olímpico de Futebol da Rio 2016.

Com a paralisação para a manutenção total do gramado, nenhuma partida de futebol poderá ser realizada na Arena da Amazônia.      

Lagartas e fungos

Os problemas no gramado da Arena não se restringiam apenas à praga de lagartas, mas uma manifestação de fungos também estava ajudando a detonar o campo de jogo da Arena. Aly Almeida comentou sobre os problemas, que segundo ele, já estão sendo sanados. “Pra você ter uma ideia do tamanho do problema eram cerca de 80 lagartas por metro quadrado de gramado, que estavam comendo a vegetação. Fora isso, também teve o problema com fungos, que estavam destruindo parte da raiz da grama”, explicou o administrador da FVO.

Aly Almeida também disse que a paralisação é necessária para o restabelecimento da campo. “Se não houver essa paralisação o gramado não se recupera. Essa paralisação é necessária pela situação que se encontra. Informamos a Federação (Amazonense de Futebol, FAF) e eles entenderam”, comentou o diretor, lembrando da decisão por parte de clubes e FAF para a mudança do Amazonense de 2016 para o segundo semestre.

Uma possível mudança total do gramado da Arena não está descartada, mais isso só poderá ocorrer após a Olimpíada em Manaus. A grama tipo Tiffany Bermuda 416, usada na Arena, é muito frágil e não se adaptou ao clima amazônico. Já a grama Bermuda 216, utilizada nos estádios da Colina e no Carlos Zamith, que também estava sem manutenção, pouco sofreu com a falta de cuidados.


“Existe uma empresa no Rio Preto da Eva que nos ofereceu essa grama (Bermuda 216). Lá eles têm uma plantação dessa grama e nos disseram que trocam todo o gramado por R$ 250 mil, e esse da Arena custou R$ 2 milhões. Aí nós teríamos a grama igual ao dos COT’s e não teríamos tantos problemas com a grama”, revelou Almeida.

Brasil x Uruguai cancelado

Questionado sobre se o problema no gramado da Arena da Amazônia foi o responsável pela não vinda da partida Brasil x Uruguai, pelas Eliminatórias para a Copa da Rússia, para Manaus, Aly Almeida explicou que não houve influência alguma na decisão da CBF. O clássico que decidiu a Copa de 1950 acabou sendo confirmado para a Arena Pernambuco, em Recife, no dia 24 de março do ano que vem. Nessa data, o gramado já estaria plenamente restabelecido.


“Na época da confirmação dos jogos da seleção olímpica com os representantes da CBF houve uma conversa informal sobre essa partida. A CBF enviou um convite formal ao governador José Melo para ele assistir a partida do Brasil com o Peru, em Salvador, e lá seria oficializado esse jogo. Mas aconteceram problemas internos de Estado e de governo que impossibilitaram a ida do governador até lá para oficializar essa partida”, disse o administrador.

Brasil x Bolívia pode vir

O diretor-presidente da FVO também revelou que existe a grande possibilidade de Manaus receber a Seleção principal de futebol nas Eliminatórias para o Mundial de 2018 depois da Rio 2016. O confronto seria contra a seleção da Bolívia, pela 9ª rodada da competição, marcado para o dia 7 de outubro do ano que vem.


“Na mesma época na confirmação dos jogos da Seleção olímpica, nós oficializamos junto a CBF a vinda da partida do Brasil com a Bolívia. Essa sim, está toda oficializada, entregamos toda a documentação e tem cerca de 80% de chance de vir para a Arena. Agora nós estamos tratando desse encontro do governador com o Del Nero (Marco Polo, presidente da CBF). Ou o Del Nero vindo até Manaus ou o governador indo até o Rio apertar a mão do Del Nero pra trazer esse jogo pra cá”, explicou Almeida, confirmando que o duelo entre brasileiros e bolivianos está oficializado desde os jogos da seleção olímpica em Manaus.


Publicidade
Publicidade