Publicidade
Esportes
Craque

Rio-Nal com jeito de batalha de ‘Davi contra Golias’, nesta quinta-feira (26), na Colina

O Rio Negro não vence o time do Nacional pelo Estadual a quase dez anos e o Naça quer manter o tabu. Com um elenco de garotos o Galo tem a difícil, mas não impossível, missão de quebrar o longo período sem vencer o clássico local 26/02/2015 às 10:56
Show 1
Rio Negro e Nacional reeditam o clássico Rio-Nal, na Colina, depois de dois anos de ausência.
Denir Simplício Manaus (AM)

O torcedor amazonense nesta quinta-feira (26) pode matar a saudade do que já foi um dos maiores clássico do futebol do Norte do País: o Rio-Nal. Em campo, Rio Negro e Nacional carregam uma rivalidade centenária, que retorna depois de mais de dois anos de ausência. No gramado da Colina, entrarão em campo não somente a eterna disputa entre Galo e Leão, mas também um tabu que perdura por quase dez anos, e que poderá vir por terra logo na estreia de ambas as equipes no Barezão.

Sem vencer o maior clássico do Estadual desde 2006, o jovem time do Rio Negro comandado por Sérgio Duarte tentará surpreender o experiente time dirigido por Sinomar Naves. Enquanto o time nacionalino tem no grupo jogadores experientes e em sua maioria vindos de fora do Estado, a maior parte do elenco Barriga Preta tem em suas fileiras a garotada formada na base do clube.

Com realidades financeiras totalmente diferentes, Naça e Galo tentam reafirmar o duelo como um dos mais importantes do Amazonas. A ordem pelos lados da Vila Muncipal é lutar pelo acesso à Série C do Brasileirão e também erguer o bicampeonato estadual. Para isso a diretoria nacionalina deve gastar pelo menos R$ 300 mil por mês com o futebol.

Já pelos lados na Praça da Saudade a norma é seguir a lei do “bom e barato”. O último título do Barezão ocorreu em 2001 e desde então o Alvinegro mergulhou numa crise quase infindável, que culminou em três rebaixamentos para a segunda divisão do futebol local, um deles em 2013, no ano do centenário do clube. E nesta temporada os gastos com a folha salarial não devem ultrapassar os R$ 30 mil mensais.

 

Publicidade
Publicidade