Publicidade
Esportes
Após derrota

Rodrigo Caetano defende Muricy e Wallace e fala que o Fla precisa 'lamber as feridas'

O diretor de futebol deu entrevista coletiva na manhã desta terça-feira no Ninho do Urubu e saiu em defesa do capitão da equipe 26/04/2016 às 15:09 - Atualizado em 26/04/2016 às 15:29
Show caetano
Dirigente do Mengão saiu em defesa do técnico e do capitão do time (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)
ACRITICA.COM Manaus (AM)

Na reapresentação do Flamengo, na manhã desta terça-feira (26), muita coisa ainda precisava ser explicada após a derrota do último domingo contra o Vasco e que tirou o time da final do Campeonato Carioca. Para os esclarecimentos, o diretor de futebol, Rodrigo Caetano, foi o escolhido para falar sobre a atual situação do time.

Um dos questionamentos foi sobre o trabalho do treinador Muricy Ramanho. Caetano saiu em defesa do técnico.

“É consenso de que o que tem de ser corrigido será corrigido, mas o trabalho comandado pelo Muricy está no caminho certo. Ele foi enfático em dizer que ele está num dos melhores inícios de trabalho, até mesmo em questão de infra-estrutura. Temos que lamber as feridas e lembrar dessas cicatrizes”, justifcou.

Além de ‘lamber as feridas’, o diretor do Flamengo afirmou que haverá reuniões para consertar o os erros do Flamengo.

“Tivemos reunião, sim. O que precisamos corrigir é justamente para entender. O Flamengo vinha de três vitórias, com supremacia sobre os adversários e depois foi derrotado num jogo único, no qual o adversário tinha a vantagem, mas não estou contestando isso, pelo contrário. Não conseguimos reverter a vantagem. É natural para um início de trabalho. Além das mudanças de trabalho, tivemos mudança significativa no elenco. Às vezes, as peças demoram um pouco a se ajustarem”

Outro que foi defendido foi o zagueiro e capitão do time, Wallace, que vem sendo muito criticado por suas atuações, principalmente após marcar um gol contra no jogo contra o Vasco. Caetano afirmou que Wallace continua e admitiu que irão em busca de reforços para a zaga.

“Não pensamos numa saída, pelo contrário. Sempre que se escolhe um ou dois para Cristo, e o jogador sai daqui e acaba sendo reconhecido. No primeiro gol, Wallace salvou a bola em cima da linha, mas existe uma predisposição contrária, e ele só vai reverter participando de uma equipe vencedora. Qualquer jogador, para sair, só se for vantajoso para o clube e o jogador. É um setor (zaga) que temos uma carência, e todos os clubes do Brasil têm. Por falta de quantidade e qualidade. Vamos tentar qualificar o setor. Não queremos nos desfazer de jogadores desse setor”, disse Rodrigo Caetano.

“Eles (jogadores) são seres humanos, como todos nós. Quem gostaria de conviver somente com críticas? Vocês (jornalistas) também têm redes sociais. Não devem gostar quando lêem algo pejorativo, isso também ocorre com os atletas. Se eles não tiverem o nosso apoio, realmente fica muito difícil. Wallace tem bom caráter e é bom profissional. As críticas são direcionadas para ele. Acho muitas injustas. Ele já demonstrou que tem qualidade, conta com a confiança do treinador, ele é mais um. Não dá para dar o peso na derrota ou protagonismo na vitória para A, B ou C”, explicou.

Publicidade
Publicidade