Publicidade
Esportes
FUTEBOL

Rubi, do Iranduba, espera fazer história contra o Corinthians na Arena da Amazônia

Iranduba encara hoje o Corinthians sabendo que um triunfo se aproxima do líder do Brasileirão Feminino, sem esquecer do último embate de ambos na Arena 05/07/2018 às 16:54 - Atualizado em 05/07/2018 às 16:58
Show zcr040501 p01
(Foto: Winnetou Almeida)
Camila Leonel Manaus (AM)

Toda jogadora de futebol sabe que cada jogo é uma história, mesmo que se repita os adversários ou o cenário da partida. Mas é impossível que pelo menos por alguns segundos não passe um filme na cabeça de outros confrontos e nesta quinta-feira (5) quando a goleira Rubi pisar na Arena da Amazônia, às 20h de hoje, para enfrentar o Corinthians, não será diferente. 

No último duelo contra o Timão em Manaus, a goleira foi um dos destaque na vitória do Hulk por 1 a 0, no ano passado. Além de fazer defesas importantes, pegou um pênalti no fim do jogo que garantiu a vitória em  casa.

“As lembranças vêm, né, mas a gente sabe que é totalmente diferente. Nosso time tem uma formação um pouco diferente, o time delas também. Mas a expectativa é de fazer um bom jogo e até melhor do que eu fiz quando jogamos contra elas aqui em casa ano passado e poder ajudar a minha equipe a conquistar a vitória”, explicou Rubi.

Apesar das lembranças, o duelo mais recente entre os dois times, que aconteceu neste ano no Pacaembu, acabou 2 a 1 para as Mosqueteiras. O resultado fez o líder Corinthians abrir três pontos de vantagem frente ao Iranduba no Grupo A1 e uma vitória no jogo de hoje pode fazer que a diferença aumente para seis pontos. Por isso, Rubi sabe que todo cuidado é pouco.

“O time do Corinthians é equilibrado taticamente. Segue um padrão bem definido e tem falhas como qualquer time e tem pontos fortes também. Temos estudado esses pontos, no meu caso principalmente das meias e atacantes, que jogam mais próximas do meu gol, para que possamos superá-las. Este é o nosso foco”.

Mas não são apenas as adversárias que Rubi estuda. Fora de campo, a paixão são os números e as estatísticas. Formada em contabilidade, recentemente ela concluiu o curso de administração. “Sempre gostei de cálculos. É uma área que eu gosto de estudar no tempo livre e o futebol não é para sempre e estudar me ajuda na concentração. Não é uma área muito direcionada para o esporte, mas tem as áreas de gestão esportiva e a gente tenta unir as duas áreas”, conta Rubi  ao ressaltar que no trabalho de conclusão de curso fez um artigo científico traçando perfis de jogadoras de futebol feminino no Brasil. 

“Montei um questionário e pedi pras meninas que conheço de outros times divulgarem pro maior número de jogadoras possíveis, e em cima desses resultados e números montei o artigo, que foi aprovado e será publicado em uma revista”. 

Rubi  conta que não foi fácil conciliar a vida de jogadora profissional com os cursos, mas que sempre contou com professores compreensivos e diz que até levava livros nas viagens para estudar as matérias.

Ficha Técnica

Iranduba: Rubi, Sinara, Renata, Jujuba, Letícia, Cris, Djeni, Amanda Brunner, Mayara, Kelen e Moara. Tec: Adilson Galdino
CorinthiansLelê, Ingrid,Gislaine, Maglia, Grazi, Paulinha, Tamires, Yasmin, Carina, Nenê e Kamila.   Tec: Arthur Elias

Estádio: Arena da Amazônia

Horário: 20h

Árbitro: Edmar Campos da Encarnação (AM)

Motivo: Nona rodada do Campeonato Brasileiro Feminino

Publicidade
Publicidade