Domingo, 19 de Maio de 2019
Craque

Salto para glória: Leandro Abrahão fala sobre o título de campeão brasileiro de hipismo

O jovem cavaleiro amazonense ergueu o troféu no último domingo (5), no Clube Hípico de Santo Amaro, em São Paulo. Aos 11 anos, Leo falou ao CRAQUE sobre o apoio da família, treinos e o futuro dele no esporte



1.jpg
Família Abrahão unida em prol da realização dos sonhos do cavaleiro Leandro Abrahão.
10/07/2015 às 12:06

Exatamente há uma semana um certo garoto amazonense encarava uma disputa acirradíssima com outros nove cavaleiros na final do Campeonato Brasileiro de Hipismo, categoria mini-mirim (de 12 a 14 anos), no Clube Hípico de Santo Amaro, em São Paulo. Todos os adversários já haviam completado o trajeto quando o pequeno Leandro Abrahão, montando o cavalo Moises Du Paradis, foi pra pista. O que aconteceu? Ele simplesmente zerou o percurso e ainda fez o melhor tempo entre todos os conjuntos, erguendo o troféu da competição e levando o nome do Amazonas ao lugar mais alto do pódio.

Passada a tensão e a emoção da sensacional vitória em terras paulitas, o promissor cavaleiro, de apenas 11 anos, conversou com o CRAQUE sobre sua trajetória vitoriosa no hipismo.

Passeio no haras

Leandro Abrahão começou a montar muito cedo. Aos seis anos o garoto já dava seus primeiros galopes. Todos os domingos o avô do garoto, Jorge Abrahão, levava o futuro campeão para cavalgar em um terreno da família, no Tarumã. Amigão e maior incentivador, o vô Jorge comprou o primeiro cavalo, o mangalarga marchador Trovão.


Das cavalgadas para os saltos sobre os conjuntos foi um pulo. Num passeio com a mãe, Cristina Abrahão, o menino passou em frente a um haras e se encantou com os cavaleiros e amazonas fazendo o percurso de saltos em um haras. Não deu outra: pediu pra se inscrever em uma escolinha de hipismo.

O talento nato aflorou e o jovem cavaleiro foi de salto em salto galopando títulos e medalhas nas competições de hipismo no Amazonas. Leo, como é carinhosamente chamado pela família, se tornou campeão amazonense em 2013, aos nove anos. A sede de vitórias o fez erguer o troféu de bicampeão do Estado no ano passado. Determinado, o jovem cavaleiro já lidera com ampla vantagem o Campeonato Amazonense de Hipismo de 2015.

Leandro Abrahão não ficou fora do pódio em nenhuma das etapas do circuito, quando não estava em primeiro, figurava no segundo ou terceiro posto, somando assim pontos que podem o levar ao terceiro título seguido no hipismo local.


Fã do  campeão olímpico Rodrigo Pessoa, o pequeno Leo não pensa duas vezes em afirmar que deseja ganhar todas as provas que disputar até chegar ao feito do maior cavaleiro da história do hipismo brasileiro. “Primeiro quero ganhar o amazonense desse ano, o qual eu sou o líder. Pro futuro eu quero ganhar o brasileiro de novo, depois o Sul Americano, depois o Pan Americano, até chegar na Olimpíada”, disse Leandro, demonstrando uma sagacidade muito grande de realizar seus sonhos.

Para o vô Jorge, apoio na luta para alcançar os objetivos não vai faltar ao pequeno Leo. “Estamos sempre juntos. Levo ele pra cavalgar desde muito pequeno. Sempre o incentivei e dou todo o apoio necessário. Meu neto é um campeão”, comentou o avô.

Hoje, o jovem campeão participará de uma solenidade de apresentação na Sociedade Hípica Brasileira, no Rio de Janeiro, onde será apresentado como campeão brasileiro de hipismo na sua categoria. 

Treinos e foco no futuro

Leandro Abrahão treina cerca de três horas por dia em uma hípica em Manaus e, sempre que tem oportunidade, viaja para Orlândia, em São Paulo, onde tem sete cavalos a sua disposição. Aliás, os cavalos do Léo fazem parte da família, segundo o próprio campeão disse logo após se tornar campeão brasileiro de hipismo, em São Paulo.


"Meu cavalo Moises du Paradis tem 14 anos e minha égua Frangolina Vant´t Welthof, 10. Eles são da família", afirmou.Leo, que é treinado por Pedro Paulo Cordeiro - responsável por revelar João Victor Aguiar, outra fera do hipismo amazonense -  tem um futuro brilhante pela frente e em outubro já tem competição nacional pela frente. O jovem cavaleiro do Amazonas vai disputar o Agromen, em Orlândia, e a expectativa é de mais um lugar no pódio.

O campeão responde:

1. Como foi a emoção de ser campeão brasileiro em São Paulo?

Foi bem difícil. Na final tinham dez competidores e eu fui o último a fazer o percurso. Mas nos saímos bem (Leo montou o cavalo Moises Du Paradis) e zeramos os obstáculos e ainda fizemos o melhor tempo. Muito bom ter sido campeão. 

2. Nas horas vagas, qual o outro esporte que  o Leandro costuma praticar?

Eu jogo futebol e tênis de mesa. Mas nada muito sério... é mais pra se divertir mesmo. Pratico, geralmente, na escola, com meus amigos. Não é pra competir. Pra competir mesmo, só no hipismo.

3. O que os seus colegas de escola dizem quando descobrem que você é campeão de hipismo?

Normal, nada demais. Alguns acham curioso... outros perguntam como é... se é perigoso (Leo caiu cavalgando  uma vez, quando tinha nove anos e ficou quase um ano sem montar, mas voltou com força total). Mas, na maioria das vezes, as pessoas não se surpreendem.

4. Como você costuma se concentrar antes das provas decisivas?

Não costumo ouvir música ou ficar quieto em um canto. Gosto de ficar observando os outros cavaleiros no percurso deles. Ver como eles se saíram, onde foram melhor ou onde erraram. Assim eu entro mais tranquilo na prova e sei o que posso fazer pra não cometer os mesmo erros.  





Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.