Domingo, 21 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Craque

Sandro Viana: um Herói da resistência

Quando o assunto é acreditar em um sonho, ninguém supera Sandro Viana


21/04/2013 às 13:39

Talvez nenhum atleta amazonense tenha acreditado tanto no seu potencial e talento, quanto Sandro Viana, que aos 24 anos resolveu lutar para realizar um sonho de criança: tornar-se um velocista. Para algumas pessoas, a idade avançada e a falta de apoio seriam obstáculos suficientes para não levar em frente essa ideia “maluca”, mas para o sonhador, na época casado e já pai de uma menina, o amor pelo esporte falou mais alto e ele decidiu arriscar. “Resolvi seguir o caminho. Estava pronto para tudo e de peito aberto. Tomar a decisão de seguir sozinho é muito difícil, começar sem apoio, sem moral... É loucura! Antes de ir à luta eu tive uma conversa comigo mesmo e prometi que iria ser honesto o tempo todo e que jamais me deixaria iludir, que se não fosse para ser atleta, eu desistiria e seguiria a minha vida numa boa. E eu já faço isso há 13 anos”, comentou.

Apaixonado por esportes, antes de migrar para o atletismo, Sandro Viana chegou a praticar outras modalidades, como basquete, jiu-jitsu, futebol, natação e ciclismo. Mas nada o fascinava mais quanto a corrida, que para ele, era o desporto dos deuses. “Sou fã dos Jogos Olímpicos desde 1996. Eu tinha o atletismo como um esporte sagrado, praticado apenas pelos semideuses. Não me achava bom o suficiente para praticá-lo e ainda tinha o peso da idade e o fato de já ter uma família, coisas que me afastavam cada vez mais. Porém, a Vila Olímpica e o amor pelo esporte me aproximavam e por isso eu acabei dando um tiro no escuro. E acertei”, afirmou.

Sandro Viana começou a treinar fielmente todos os dias na Vila Olímpica de Manaus, seu porto seguro. Foi lá que ele deu os primeiros passos na busca por um espaço entre a constelação de estrelas do atletismo nacional e internacional. E todo esforço, fé e determinação o levaram para São Paulo, quatro anos após o início de sua luta. A partir daí as coisas começaram a mudar, e de sonhador e fã dos “deuses” das pistas, o amazonense aos poucos foi conquistando um lugarzinho e não demorou muito para que ele se tornasse um atleta de destaque. “Dois momentos marcaram muito a minha vida. O bronze que conquistei na Turquia (Jogos Universitários). Eu não tinha nada, desfilei na abertura com um tênis emprestado e por isso ter chegado em terceiro lugar foi especial demais. Era um momento meu, foi ali que eu percebi do que eu era capaz. Outra situação foi no Pan de 2007, onde eu já tinha uma mentalidade diferente e já era uma vitrine, pois mostrei a força do Amazonas”, disse.

Sandro Viana acreditou no seu sonho e correu, literalmente, para torná-lo realidade, assim como muitos outros atletas já fizeram. E é essa lição que o velocista, que já participou de duas Olimpíadas (Pequim, 2008 e Londres, 2012), quer deixar. “Mais do que acreditar em um sonho, é preciso entrar e contemplá-lo, porque se você apenas chegar perto do seu sonho ele nunca será realizado. É preciso estar dentro dele de corpo inteiro. Eu sou a prova que é possível um indivíduo comum vencer na vida, basta acreditar”, finalizou.


publicidade
publicidade
Mesmo em tratamento contra o câncer de mama, triatleta não deixa esporte
Gigante do futebol: atacante do 3B divide amor pelo esporte e trabalho na agricultura
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.