Segunda-feira, 17 de Junho de 2019
Craque

Sapo ‘perigoso’. Técnico do Fast Clube não acha nada fácil duelo com o Operário

Cavalo respeita a equipe do Sapão da Terra Preta e acha que sua equipe não pode perder a concentração na reta final do campeonato. Para Neneca o lado psicológico do Operário ainda é a causa das falhas do time  



1.jpg Cavalo prega o respeito ao Operário, mas quer vitória pra chegar na próxima fase do Barezão.
05/05/2015 às 20:40

Fast Clube e Operário fazem o duelo vespertino desta quarta-feira no Campo da Ulbra, na Zona Centro-Sul de Manaus, e para o Rolo Compressor esmagar o Sapão da Terra Preta é questão de honra. Apesar de pregar o respeito ao adversário, o técnico João Carlos Cavalo acha essencial vencer o Operário no “quintal de casa” para ficar mais próximo da classificação para as semifinais do Campeonato Amazonense.

“Jogo perigoso... Nós precisamos vencer e mantermos a concentração para continuarmos firmes na briga pela classificação”, disse o técnico do Tricolor. Com ausências confirmadas dos atacantes Felipe (com virose) e Luizão (lesionado), além do zagueiro Ediglê (suspenso), Cavalo acha que o Operário pode complicar se o time entrar desconcentrado. “Não existe jogo fraco...Nós vamos respeitar o Operário,  mas precisamos vencer”, finalizou.

Sapo segue lutando

Com as faltas confirmadas do meia Toró e o zagueiro Hailton machucados, o técnico Neneca torce para que o seu departamento médico libere os meio-campistas Thock e Haylan para tentar brecar o Rolo Compressor. Mesmo aliviado com a notícia de que não haverá mais rebaixamento no Barezão, o treinador do Sapão vai buscar aprimorar o lado psicológico de sua equipe para evitar erros diante do Fast.

"Nós perdemos alguns jogos depois de estarmos vencendo. Falhas que não poderiam ocorrer. Há uma crescente no  lado tático, mas o lado psicológico ainda é falho”, explicou Neneca lembrando da partida contra o São Raimundo, quando a equipe vencia por 2 a 0 e tomou a virada.

O treinador do Operário ainda disse que seu time precisa aprender a jogar o Barezão. “O Operário têm de ser uma equipe ‘campineira’. Ainda não está sabendo jogar o Amazonense. Temos bons atletas, como o Haylan e o goleiro Victor, mas precisamos matar os jogos”, finalizou.



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.