Publicidade
Esportes
Craque

Sem tribunal de justiça desportiva, briga entre árbitro e dirigente pode nem ser julgada

Federação Amazonense de Futebol e Associação de Clubes Profissionais do Amazonas tentam reativar tribunal até o fim do mês, prazo no qual prescreveria processo com base na súmla da terça 29/10/2015 às 13:39
Show 1
Weden Cardoso agrediu fisicamente cartola do Fast Clube
Felipe de Paula Manaus (AM)

Sem Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) desde o infarto que afastou seu ex-presidente, há dois anos, corre risco de ficar sem julgamento a confusão entre o coordenador das categorias de base  do Fast Clube, Thiago Durante, e o árbitro, Weden Cardoso, antes do início da quinta rodada da Copa Amazonas, na noite da última terça-feira (27), no estádio Carlos Zamith. Segundo o Código de Justiça Desportiva Brasileira, os processos por fatos relatados nas súmulas das partidas prescrevem em 30 dias, caso não sejam julgados.

Para que o incidente ocorrido não se junte a outros casos de impunidade em competições locais, a Federação Amazonense de Futebol (FAF) encaminhou documento formalizando o pedido de indicação dos membros formadores do novo Tribunal desportiva local e tentará implantar até o fim do mês de novembro a nova corte. “A Federação não pode punir ninguém. Encaminhamos a solicitação de indicação dos membros (do Tribunal) para os clubes (Associação de Clubes Profissionais do Amazonas - Acpea), para a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e para o Sindicato dos Jogadores Profissionais. Creio que até o final do mês de novembro estaremos formando o novo Tribunal”, disse Ivan Guimarães, diretor de competições da FAF.

Os clubes

O presidente da Acpea, Cláudio  Nobre, que também é vice-presidente do Fast Clube, confirmou a informação de que os clubes receberam o pedido de indicação dos nomes para a formação do novo Tribunal. Uma reunião no dia de hoje deverá tratar da questão e, possivelmente, já definir os nomes dos dois conselheiros que serão indicados pelas agremiações.

Nobre também confirmou à reportagem do CRAQUE que, a partir de decisão por unanimidade entre os clubes ligados à Acpea, protocolou denúncia no Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) sobre a realização das competições sem a existência de um Tribunal que possa julgar casos de violência e outros incidentes de esfera judicial.

A briga

Antes do início da quinta e última rodada classificatória da Copa Amazonas, no estádio Carlos Zamith, o quarto árbitro da partida entre Manaus FC e Fast Clube, Weden Cardoso, discutiu no vestiário do Rolo Compressor com o dirigente Thiago Durante e pediu auxílio da tropa de choque da Polícia Militar presente no local para conter os ânimos de cartola, que, segundo ele e testemunhas, proferia xingamentos contra o árbitro.

Em vídeo documentado pelo repórter do CRAQUE Anderson Silva e publicado no portal ACRITICA.COM, é possível ver a parte final da discussão, quando Weden  perde a cabeça e dá um soco no rosto do dirigente tricolor. O próprio Durante confirmou que não chegou a se ferir com a agressão de Weden.

Versões

Sobre a confusão, o árbitro Weden Cardoso e o dirigente fastiano deram suas versões da história.  Segundo Thiago, o Weden chegou ao vestiário solicitando a relação dos atletas e foi o primeiro a usar da rispidez após pedido de alteração na lista que seria entregue à comissão de arbitragem.

Segundo Durante, ele apenas “retribuiu” a postura do árbitro. “Eu não xinguei, não tinha porque ter feito isso, já que ele nem era o árbitro do jogo e a partida nem tinha começado. (...) Eu que fui agredido. Ele usou a proteção dos policiais para me agredir”, disse Thiago, que contou ter encaminhado denúncia à Comissão Nacional de Arbitragem e também fez Boletim de Ocorrência sobre o caso na polícia.

Weden Cardoso deu outra versão sobre o caso: o árbitro contou que depois de ter identificado uma rasura na relação dos atletas do Fast, solicitou a alteração, momento em que teriam se iniciado os insultos por parte do cartola fastiano. A ação da polícia em retirar  Durante da área do jogo foi devido ao comportamento alterado do cartola, segundo o árbitro.

“Foram insultos diversos. Ele xingou até minha mãe. Minha mãe está fazendo tratamento de câncer. Todas essas coisas foram um somatório. Eu não deveria ter ido às vias de fato e peço desculpas ao amante do futebol por isso”, desculpou-se Weden, criticando a postura do dirigente. “Esse cidadão é citado em dezenas de súmulas e denigre a instituição Fast”, afirmou.

Cardoso se mostrou arrependido pela agressão e admitiu que “merece punição”, mas  a presença de um “reincidente” no campo de jogo em si só representa uma injustiça que ele não pode mais aceitar. “Se nós tivéssemos um Tribunal, ele nem estaria ali”, desabafou.


Publicidade
Publicidade