Publicidade
Esportes
A vez delas

Jogadoras do Clube Dez de Novembro ignoram cansaço para disputar Peladão

Clube Dez de Novembro conta com o reforço de profissionais da saúde para disputa do Peladão Brahma Feminino e já projeta voos mais altos na competição 04/11/2016 às 05:00
Show zcr0104 02f
Time conta com jogadoras que saem direto do plantão para jogar e quem pegue ônibus com duas horas de antecedência para chegar a tempo. (Foto: Evandro Seixas)
Valter Cardoso Manaus-AM

Fim de plantão. Hora de pendurar o jaleco e ir embora do consultório para relaxar... jogando futebol. Isso mesmo, no time feminino do Clube Dez de Novembro, as luvas dão lugar às chuteiras já que boa parte do time é formada por profissionais de saúde. Entre enfermeiras e dentistas, no fim do expediente, todas viram apenas jogadoras. 
“Quando eu entro em campo, eu quero fazer gol. Meu principal objetivo, eu esqueço tudo que tem do lado de fora, tudo que aconteceu no plantão, tudo que tá acontecendo em casa e eu foco simplesmente no gol, eu quero fazer gol, de qualquer maneira, de penalti, de qualquer coisa”, brincou Alice Serique, enfermeira, instrumentadora cirúrgica.


Mas com uma rotina tão corrida, o cansaço até aparece no fim do dia, mas quando o assunto é determinação é difícil vencer esse time. 
“É bem cansativo, principalmente no fim de semana porque minha rotina é de 36 horas de plantão seguidas então tem que ter uma válvula de escape. Acho que o futebol é o que mais se enquadra com a minha pessoa, com a minha personalidade”, explicou Alice.

E força de vontade é uma das marcas da equipe, não só das profissionais da área de saúde. 
“O que importa é a força de vontade delas. Muitas daqui já vem direto do plantão, direto pro treino. As meninas que moram longe pegam ônibus duas horas antes de começar o treino”, explicou o coordenador do time, Tiago Teles Nunes. 

Mas o trabalho no Peladão Brahma não é tão simples quanto parece.  “É mais difícil cuidar o time porque lidar com as meninas é um pouco complicado (risos)”, revelou Pâmela Cordeiro, dentista, que é uma das coordenadoras  da equipe. Ela também revelou a importância do esporte na rotina.
 “A partir do momento que eu deixo meu jaleco lá no consultório eu digo ‘agora é a Pâmela vida normal’. Porque dentro do consultório a gente tem que ter uma vida, além de ser prático a gente também tem que ser profissional,  a gente cuida de pessoas. A partir dali eu cuido mais da minha vida, dentro do consultório eu cuido mais da vida dos meus pacientes e fora dali eu cuido da minha vida e como eu tô cuidando é começar a brincar, jogar bola”, garantiu Pâmela. 

Perspectivas
Pela primeira vez na disputa, o time feminino do Clube Dez de Novembro já projeta voos mais altos nas próximas edições do Peladão Brahma. 
“Como este é o primeiro ano, queremos expandir, melhorar, criar casca. É o primeiro ano, a gente começou a treinar agora e a gente viu o esforço das meninas, então a gente pensa em levar isso dai pra frente e melhorar cada vez mais. A expectativa é ganhar experiência, de início pelo menos ganhar experiência,  pros próximos anos vir cada vez mais forte para ganhar este peladão aí”, finalizou Tiago.

Publicidade
Publicidade