Publicidade
Esportes
Copa Amazônia

Show de disputas e recordes tomam conta da Copa Amazônia – Troféu Leônidas Marques

A competição reuniu 222 atletas, de seis Estados, que se destacaram com excelentes resultados 22/05/2017 às 17:22 - Atualizado em 23/05/2017 às 17:21
Show whatsapp image 2017 05 20 at 20.07.00
A competição contou com atletas de 21 clubes dos Estados do Amazonas, Amapá, Maranhão, Pará, Rondônia e Roraima. Fotos: Evandro Seixas/A crítica
Jéssica Santos Manaus (AM)

A Copa Amazônia de natação – Troféu Leônidas Marques – foi marcada pela quebra de 42 recordes de competição. A competição, realizada no Clube do Trabalhador - Sesi, na última sexta e sábado, 19 e 20, contou com a participação de 222 atletas das categorias Infantil a Júnior, de 21 clubes dos Estados do Amazonas, Amapá, Maranhão, Pará, Rondônia e Roraima.

“Essa competição já é conhecida dos amazonenses e, este ano, tivemos muitos tempos bons nas quatro etapas realizadas. Entre os destaques, tivemos o Felipe Andrade, da Aquática Amazonas; tivemos a Ana Débora, do Olímpico, que tem a supremacia no nado peito; e pelo La Salle, o principal destaque foi a Elysa Maia, uma das melhores nadadoras da competição. Temos talentos, mas eles precisam de apoio e de estrutura para o treinamento”, destaca Vítor Façanha, presidente da Federação Amazonense de Desportos Aquáticos (FADA).

Destaques

A nadadora Elysa Maia, do La Salle, conquistou 5 ouros e uma prata na Copa Amazônia, com direito a dois recordes de competição quebrados, na categoria Juvenil 2, nos 400m medley e 200m costas. “Consegui atingir meus objetivos, foi até melhor do que eu esperava, e estou bem feliz”, disse a atleta. 

Luisa Marillac, da Aquática Amazonas, caiu na piscina para nadar seis provas: 50 e 100m livre, 50 e 100m borboleta e 100m costas, e ela conquistou o ouro em todas as disputas. “Foi muito bom. Baixei tempo em quase todas as provas, então fiquei bem satisfeita”, disse Luisa. A nadadora ganhou todas, mas disse que não foi fácil, e que as disputas acirradas são as melhores. “Gosto de competições fortes como essa, em que há adversárias que ficam ali cutucando, e me ajudam a querer melhorar ainda mais”, finalizou.


Luisa Marillac é uma nadadora que sempre se destaca nas competições. Ela segue melhorando suas marcas, com foco no Norte e Nordeste de natação

Júlia Nina, do Maranhão, também foi uma das nadadoras que brilharam nas águas da piscina do Sesi. Júlia é especialista em provas de fundo, e já foi vice-campeã brasileira nos 400 e 800m livre. Apesar de ter vencido suas provas com folga na Copa Amazônia, ela queria mais. “Fui bem na competição, consegui fazer bons tempos, mas não foram meus melhores. Estou competindo muito, e o cansaço vai batendo”, disse a nadadora.


Júlia Nina nada provas de natação e maratona Aquática e, apesar de ter apenas 15 anos, já conquistou diversos títulos

Thiago Nicolau, que chamou a atenção ao pedir a namorada em casamento durante a competição, também se destacou na piscina. “Nadei quatro provas e dois revezamentos. Ganhei três provas, bati o recorde do campeonato e absoluto amazonense nos 200m costas, e a nossa equipe da Aquática Amazonas (formada por Thiago, Eduardo, Matheus e Hudson) também bateu o recorde dos 4x50m livre, então foi muito bom”, comentou Thiago.

Incansável

Bianca Dantas é nadadora e triatleta e, além de competir na Copa Amazonas, ela também disputou a Copa Norte de Triathlon neste fim de semana. No sábado de manhã, ela esteve nadando, pedalando e correndo; e à tarde, foi participar de mais algumas provas de natação. “É pesado, mas dá para conciliar, e eu gosto muito dos dois esportes”, conta.

Para sempre nadador

Com uma vida dedicada à natação, Jefferson Mascarenhas também esteve presente nas disputas da Copa Amazônia de natação. “A época em que obtive mais resultados foi quando estava nadando no Olímpico, no final dos anos 70, início de 80, e agora o clube estava precisando de alguém para montar revezamento, e eu aceitei competir, e ainda nadei uma prova muito difícil, que são os 200m borboleta, mas conquistei uma medalha, e terminei bem essa prova que muitos temem. Além disso, ainda fiquei com o quarto lugar nos 50m borboleta, e a equipe ganhou os dois revezamentos”, ressalta Jefferson. “Aos 50 anos, ainda participar dessa competição é um privilégio”, finalizou Mascarenhas.

Publicidade
Publicidade