Publicidade
Esportes
Craque

Técnico do Nacional rebate questionamentos sobre a falta de ousadia contra Salgueiro

Goiano relembrou que desde que assumiu o Naça, na 7ª rodada da Série D do Campeonato Brasileiro, o time marcou 14 gols em quatro jogos e só teve uma derrota para o Paragominas por 2 a 1 05/09/2013 às 10:21
Show 1
incomodado Léo Goiano não gostou das críticas sobre o jogo contra o Salgueiro
AUGUSTO COSTA Manaus

“Não sou retranqueiro”. Assim o técnico do Nacional, Léo Goiano, em tom de desabafo, rebateu nesta quarta (4) no Centro de Treinamento, Barbosa Filho, Zona Leste, as críticas de torcedores e parte da imprensa que o rotularam como um técnico defensivo em excesso. Goiano relembrou que desde que assumiu o Naça, na 7ª rodada da Série D do Campeonato Brasileiro, o time marcou 14 gols em quatro jogos e só teve uma derrota para o Paragominas por 2 a 1.

Depois, vieram a goleada sobre o Genus por 5 a 2, vitória contra o Plácido de Castro por 2 a 1 e mais uma goleada contra o Náutico de Roraima, por 6 a 1, se tornando o ataque mais positivos dos oito grupos do Brasileirão com 21 gols. Antes de assumir o Leão da Vila Municipal, a equipe havia marcado sete gols em quatro jogos com o ex-treinador Aderbal Lana.

Questionado sobre a falta de “ousadia” contra o Salgueiro quando empatou em 0 a 0, jogando fora e que poderia ter voltado com uma vitória, Léo Goiano foi enfático.

“As chances mais claras de gols contra o Salgueiro foram do Nacional. Neutralizamos as ações ofensivas do adversário e criamos. Agora existe um mito aqui que o Léo Goiano é retranqueiro. A equipe do Léo Goiano hoje é o time que fez mais gols na primeira fase e as maiores goleadas na Série D este ano foram sobre o meu comando. É uma covardia das pessoas que estão fazendo isso contra a minha pessoa, e isso me deixa muito chateado e é uma falta de respeito com uma pessoa séria como eu sou. Mas estou preparado para tudo isso”, disparou Goiano.

Clima de decisão
O meia-atacante Bismarck acredita numa partida perigosa contra o Salgueiro, que joga por um empate com gols ou uma vitória simples para se classificar para a próxima fase. Ele relembrou que o Carcará tem um ótimo retrospecto em partidas fora de casa quando se classificou com empates contra o Vitória e Criciúma pela Copa do Brasil.

“A equipe deles é muito forte principalmente no ataque. Esperamos fazer um bom jogo e sair com a classificação. Infelizmente temos dois desfalques importantes (Lídio e Dênis Santos, suspensos pelo terceiro cartão amarelo), mas temos um bom grupo e quem entrar vai dar conta do recado”, avaliou Bismarck.

Considerado um dos destaques do Naça nas últimas partidas pela Copa do Brasil e na Série D, o goleiro Gilberto, que está com conjuntivite, garante que vai jogar contra o Salgueiro. “Conseguimos fazer um grande jogo lá em Pernambuco, mas não podemos entrar relaxados. Precisamos fazer o resultado dentro de casa. Não podemos levar gols e vou cobrar atenção redobrada dos zagueiros Emerson e Morisco”, afirmou o goleiro azulino.

Quatro para duas vagas

Sem poder contar com os volantes Lídio e Dênis Santos, que vão cumprir suspensão automática no domingo contra o Salgueiro (PE), por terem levado o terceiro cartão amarelo no jogo de ida em Pernambuco, o técnico Léo Goiano terá quatro opções entre Agenor, Erick, Fábio Santos e Roberto Dinamite. Goiano disse que Agenor seria um dos nomes garantidos para começar jogando.

Em tratamento no departamento médico por causa de dores na panturrilha esquerda, Agenor diz que vai jogar para ajudar o Naça na fase decisiva do mata-mata contra o Carcará.

“No final do jogo contra o Salgueiro saí de campo com dores na panturrilha esquerda. Comecei lá mesmo o tratamento intensivo e espero a partir de amanhã (hoje) voltar aos treinamentos e me recuperar até o dia do jogo para ajudar o Nacional. É um jogo decisivo e quero jogar de qualquer maneira”, comentou Agenor.

O médico do Naça, Rafael Benoliel, acredita que o volante vai estar em campo no domingo. “O intuito do tratamento é colocar ele pra atuar nesse jogo. Ele está respondendo bem ao tratamento de fisioterapia. Mas ainda não podemos afirmar se ele vai poder jogar os 90 minutos ou pelo menos um tempo. Acreditamos na recuperação dele e na participação no jogo”, disse Benoliel.

Na Série D

Naça fez mais gols

O Nacional tem o ataque mais positivo da primeira fase da Série D com 21 gols em oito jogos. O Tupi (MG), com 17 gols, vem em segundo lugar na competição.

Publicidade
Publicidade