Publicidade
Esportes
Copa do Brasil

Técnico do Princesa aposta em casa cheia para duelo contra a Chapecoense

O jogo está marcado para esta quarta-feira, dia 06 de abril, às 15h30, no estádio Gilbertão, em Manacapuru (a 84 quilômetros de Manaus) 04/04/2016 às 23:32 - Atualizado em 05/04/2016 às 00:20
Show princesa02222
Zé Marco espera contar com o apoio da torcida para vencer a Chapecoense
Divulgação/ Princesa

Há mais um ano sem receber uma partida de futebol oficial, o estádio Gilbertão, em Manacapuru (a 84 quilômetros de Manaus), será palco do jogo entre Princesa do Solimões e Chapecoense, válido pela primeira rodada da Copa do Brasil, nesta quarta-feira, dia 06 de abril. O confronto está marcado para as 15h30 (horário de Manaus).

Segundo o técnico do Tubarão, Zé Marco, há alguns dias a cidade já respira o jogo. Aliás, contar com o apoio da torcida é uma das apostas da equipe amazonense, além, claro, do horário da partida, que é muito mais favorável ao Princesa, que já está acostumado com o forte calor amazônico, do que ao time catarinense.

“O primeiro passo nós já conseguimos, que foi passar o jogo para tarde. O segundo é ter a casa cheia, poder contar com apoio da torcida com certeza nos deixará ainda mais confiantes. Sem receber um jogo há mais um ano, a cidade está em festa e já respira esse jogo. Temos certeza que faremos uma grande partida e alcançaremos o nosso maior objetivo, que é garantir a vitória no Gilbertão”, declarou Zé Marco.

Ontem, o Tubarão treinou no estádio do jogo. O treinador comandou um coletivo apronto, um trabalho prático com bola parada no mesmo horário do confronto contra a Chape.

“A equipe já está definida, mas só vou revelar minutos antes da partida. Amanhã (hoje) o elenco participará apenas de um recreativo, ás 8h30, novamente no Gilbertão, e depois é repouso até a hora de enfrentarmos a Chapecoense”, declarou Zé Marco - que disse ainda que o coletivo é o que o grupo tem de mais forte.

“O Princesa é uma equipe muito competitiva, que tem marcação forte e saída rápida, nossa maior força está mesmo no coletivo”, completou.

Publicidade
Publicidade