Publicidade
Esportes
Craque

Temporada de caça: após novas prisões, Fifa confirma que Del Nero está sob investigação

Comitê de Ética da entidade confirmou que o presidente da CBF está sendo investigado. Na manhã desta quinta-feira (3) os mandatários da Concacaf, Alfredo Hawit, e Juan Angel Napout, da Conmebol foram presos 03/12/2015 às 09:37
Show 1
Del Nero está sob investigação da Fifa.
Reuters Zurique (Suíça)

O Comitê de Ética da Fifa iniciou procedimentos formais contra o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, disse um porta-voz do comitê nesta quinta-feira (3).

Segundo o porta-voz, os procedimentos foram abertos em 23 de novembro. Del Nero renunciou a posição no comitê executivo da Fifa, entidade que comanda o futebol mundial, em 26 de novembro.

O presidente da CBF não viaja ao exterior desde o fim de maio, quando voltou da Suíça ao Brasil depois das prisões de dirigentes, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin, por acusações de corrupção. Marin foi extraditado para os Estados Unidos e cumpre prisão domiciliar.

Del Nero nega que tivesse conhecimento de qualquer irregularidade na CBF e alega que está se dedicando ao futebol brasileiro.

Apesar de ter deixado o posto na Fifa, Del Nero seguirá como presidente da CBF. Ele tem afirmado que não vai renunciar ao cargo que assumiu em abril. Seu mandato vai até 2019.

Del Nero foi indicado como membro do comitê executivo da Fifa em março de 2012, após a saída de Ricardo Teixeira da presidência da CBF e do cargo na Fifa em meio a denúncias de corrupção.

Novas prisões

Autoridades suíças detiveram nesta quinta-feira Alfredo Hawit, de Honduras, presidente em exercício da Concacaf, e Juan Angel Napout, do Paraguai, presidente da Conmebol, em cumprimento a pedidos de prisão feitos pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, informou a Justiça Federal da Suíça.

"Eles estão sob custódia pendendo extradição", informou a Justiça em comunicado. "De acordo com os pedidos de prisão norte-americanos, eles são suspeitos de aceitar propinas de milhões de dólares".





Publicidade
Publicidade